EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rússia mais "suave" com violência doméstica

Rússia mais "suave" com violência doméstica
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As primeiras agressões sem dano físico deixam de ser crime e passam a ser punidas por multa administrativa.

PUBLICIDADE

Na Rússia, a nova lei sobre a violência doméstica está a causar polémica.

Apesar das notícias que diziam que “agora, na Rússia, é legal bater na mulher”, na verdade trata-se de uma lei mais complexa, que descriminaliza as agressões no seio da família, quando praticadas pela primeira vez e não causam danos corporais, mas não elimina a aplicação de uma multa administrativa.

Aplica-se a agressões no seio do casal, mas também entre pais e filhos: “Quando a agressão acontece numa situação de conflito emocional, quando não há intenção de causar danos físicos à outra pessoa e não há uma perseguição, nesse caso é aceitável haver uma responsabilidade administrativa e não criminal”, disse Olga Batalina, deputada do partido Rússia Unida (de Vladimir Putin).

A lei passou na Duma com 385 votos a favor e apenas dois contra, ambos de mulheres.

À porta do edifício do parlemento russo, algumas manifestantes denunciavam o que dizem ser o retrocesso que a lei representa: “A Duma Estatal fez um erro catastrófico, porque mesmo antes desta lei as vítimas não faziam queixa à polícia, já antes lhes diziam que se batem é porque gostam delas e que não lavassem a roupa suja em público. Agora, a vítima é que vai ser vista como culpada”, diz a ativista política Alyona Popova.

A violência doméstica continua a ser esquecida pelos tribunais russos, que só condenam 10% dos poucos casos que são denunciados. Entre 12.000 e 14.000 mulheres morrem, todos os anos, vítimas dos maridos ou companheiros.

Rússia está prestes a descriminalizar violência doméstica https://t.co/wuQqRNXhTIpic.twitter.com/XRQk38Iddi

— HuffPost Brasil (@huffpostbrasil) January 24, 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Amor que mata: Quando as vítimas de violência conjugal fazem justiça

Putin ameaça a Alemanha: Rússia pode fornecer armas para atingir alvos ocidentais

Putin substitui Shoigu porque quer Ministério da Defesa "aberto à inovação"