Última hora

Em leitura:

Relatório denuncia falhas de Netanyahu e responsáveis militares durante o conflito de Gaza


Israel

Relatório denuncia falhas de Netanyahu e responsáveis militares durante o conflito de Gaza

Um relatório oficial publicado esta terça-feira em Israel acusa o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e altos responsáveis militares de terem falhado na preparação do exército face à ameaça de um ataque do Hamas com base nos túneis construídos pelo movimento radical palestiniano, durante o conflito na Faixa de Gaza, em 2014.

Segundo o relatório, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o antigo ministro da Defesa Moshe Ya’alon e o antigo chefe do Estado-Maior Benny Gantz “não garantiram que o exército tivesse planos operacionais para combater os túneis em zonas urbanas”.

O relatório, da responsabilidade dos serviços que inspecionam a ação do Estado israelita, alarmou a classe política ainda antes de ser publicado. Na segunda-feira, Benjamin Netanyahu saíu em defesa das decisões então tomadas pelo governo, frisando que foi infligido ao Hamas o golpe mais duro de sempre:

“Infligimos ao Hamas o maior golpe de sempre. Matámos cerca de mil terroristas do Hamas e o seu principal líder, derrubámos os bastiões do terrorismo, agimos com força, com responsabilidade e em plena cooperação entre forças políticas e militares. Nenhum gabinete israelita foi melhor informado”, disse Netanyahu.

Ainda de acordo com o documento, dois dias antes do início do conflito, o então ministro da Defesa Moshe Ya’alon terá dito que a guerra poderia ter sido evitada se Israel tinha dado uma resposta atempada ao sofrimento da população de Gaza.

Os principais objetivos da ofensiva então declarados pelo governo de Telavive, eram destruir os túneis de guerra do Hamas e impedir que os militantes palestinianos destacados em Gaza, principalmente elementos do Hamas, lançassem rockets contra Israel.

A guerra de 2014 durou 50 dias. Matou 2251 palestinianos e deixou 100 mil pessoas desalojadas. Do lado israelita, 74 pessoas foram mortas, entre as quais seis soldados.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Reino Unido

Caótica e cobarde a atuação da polícia no ataque na Tunísia em 2015