Última hora

Em leitura:

Aeoporto de Orly: Homem abatido. Aeroporto evacuado.


França

Aeoporto de Orly: Homem abatido. Aeroporto evacuado.

Com AFP

Agentes de segurança franceses abateram, na manhã deste sábado, um homem que teria tentado roubar uma arma a um agente do dispositivo de segurança Sentinelle no terminal Sud do aeroporto internacional de Orly, a sul de Paris.


O incidente teve lugar às 08:30 locais e fez com que as autoridades evacuassem o terminal, onde cerca de 3 mil passageiros aguardavam os seus voos.

Segundo as autoridades francesas, o terminal Orly Ouest de onde companhias como a portuguesa TAP e a low cost EasyJet realizam os seus voos entre Portugal e Paris, sofreu também algumas perturbações.


Segundo a AFP, os passageiros em trânsito no terminal Orly Ouest teriam ficado fechados nas instalações.

A agência portuguesa Lusa disse que dois voos TAP, provenientes de Lisboa foram desviados para o aeroporto internacional Charles de Gaulle.


Uma funcionária do aeroporto disse à agência que havia um grande aparato na zona, com alguma confusão entre polícias, militares e passageiros.

Entretanto, a polícia disse que um agente ficou ligeiramente ferido depois de ter sido alvo de um disparo de um homem perto da localidade de Stains (departamento de Seine-Saint-Denis, nordeste de Paris).

O incidente teve lugar pouco antes das sete da manhã, hora local.

A polícia diz que este incidente “se relaciona” com o acontecido em Orly, hora e meia depois.

As autoridades falam num homem conhecido da polícia.

Stains fica situada a cerca de 40 quilómetros do aeroporto internacional de Orly.

A intervenção das autoridades locais no aeroporto terminou pouco antes das 11 horas.

Não foram encontrados quaisquer explosivos.


Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

EUA

Trump, Merkel e o não-aperto de mão