Última hora

Ataque de Londres: 2 pessoas ainda detidas

As investigações sobre a motivação e hipotética cumplicidade no ataque de Londres são agora a prioridade.

Em leitura:

Ataque de Londres: 2 pessoas ainda detidas

Tamanho do texto Aa Aa

Khalid Masood tinha várias condenações no cadastro, nenhuma delas ligada a terrorismo. Foi o autor do atentado em Londres, quarta feira passada, que vitimou 4 pessoas.

O ataque

O homem, de 52 anos, não se encontrava sob investigação quando acelerou um carro na ponte de Westminster e atropelar dois peões antes de entrar no perímetro do Parlamento e esfaquear um polícia desarmado.

Khalid Masood foi abatido no local pela polícia.

Foi o mais mortífero ataque em Inglaterra desde que 4 jovens britânicos islamitas mataram 52 pessoas em ataques bombistas suicidas, em Londres, em 2005.

Quem era Adrian Ajao/Khalid Masood

Nascido no dia de Natal de 1964, em Kent, e registado à nascença como Adrian Russell Ajao, pensa-se que terá sido criado maioritariamente pela mãe, sozinha.
Masood terá vivido grande parte da sua vida na zona de West Midlands e na cidade de Birmingham, no centro de Inglaterra.

Apesar de ser conhecido pela Polícia no Reino Unido, sabendo-se agora que terá usado várias identidades em diferentes ocasiões, os elementos dos serviços secretos não o consideravam um criminoso que representasse alguma ameaça iminente. Nunca tinha sido condenado por algo relacionado com terrorismo.

De acordo com uma antiga vizinha, Masood pode ter sido pai.
“Ele tem uma criança pequena, que julgo ter uns 5 ou 6 anos. havia uma mulher a morar com ele, uma mulher asiática”, disse a vizinha Iwona Romek, 45 anos. “Ele parecia bastante simpático.”
Outros, contudo, descreveram Masood à BBC como “o vampiro” porque saía à noite vestido de preto.

A embaixada da Arábia Saudita em Londres confirmou que Masood terá permanecido no país durante dois anos em períodos separados, entre 2005 e 2008, enquanto professor de Inglês. Terá feito uma visita breve em março de 2015.

Pouco é conhecido acerca da vida privada e das ocupações de Masood. Os media reportam que se descrevia como um antigo professor que se interessava por bodybuilding.

A investigação

O inquérito prossegue no sentido de saber quais foram as motivações e se houve cúmplices na autoria do atentado.

De 11 pessoas detidas, 7 foram libertadas sem ficar sob nenhuma medida, duas mulheres saíram sob fiança até ao final de março e duas outras pessoas encontram-se ainda sob detenção. São um homem de 58 anos e outro de 27, ambos de Birmingham.

Foram feitas buscas a vários locais, incluindo a casa materna de Masood, no País de Gales, mas sem que os ocupantes estejam indiciados.

Birmingham, onde Masood vivia, tem sido o local de residência de muitos islamistas britânicos. Há mais de 213 mil muçulmanos em Birmingham, mais de um quinto da população, de acordo com o censo de 2011.

Masood alugou o carro que usou no ataque de quarta-feira em Birmingham, na empresa Enterprise, e pode ter arrendadop um apartamento perto dos escritórios desta empresa, que se incluiuram nas buscas realizadas pela polícia.

Na véspera do ataque, Masood passou a sua última noite num hotel em Brighton, na costa sul, de acordo com um outro hóspede que o terá reconhecido.

“Nada nas suas maneiras ou aspeto me indicou ou fez pensar que ele outra coisa senão normal”, declarou Michael Petersen.

A Scotland Yard apelou publicamente esta sexta-feira para que quem tivesse conhecido Masood partilhasse qualquer informação que pudesse acrescer à investigação, focada em decifrar o círculo mais próximo de Masood e a sua eventual rede de trabalho e diz suspeitar que Masood tenha sido inspirado por terrorismo internacional.

A primeira ministra do Reino Unido, Theresa May, disse aos membros do Parlamento, na quarta-feira e nesse local, que Masood havia sido anteriormente investigado pelo MI5 por “suspeitas de extremismo violento.” Descreveu-o como sendo uma “figura periférica” num caso histórico e que não havia “indícios anteriores das suas intenções” de levar a cabo um ataque no Reino Unido.

O auto-proclamado Estado Islâmico reivindicou o atentado.