Última hora

Última hora

Em leitura:

Conheça o papagaio aquático


futuris

Conheça o papagaio aquático

Pode parecer um brinquedo, mas é, na verdade, um feito tecnológico que produz energia a partir das marés. Pode deslocar-se debaixo de água a uma velocidade dez vezes maior do que as correntes marítimas. Nem as suas capacidades, nem a sua utilização são brincadeira de criança.

A baía de Strangford Lough, na Irlanda do Norte, tem uma extensão de cerca de 150 quilómetros quadrados. Na maré alta, as águas podem subir até 4 metros. O grupo de cientistas do projeto PowerKite criou um método de produção de energia através das oscilações das marés.

A investigadora responsável, Heije Westberg, explica que se trata “de um papagaio que está preso ao solo marinho. Durante as marés, a força de impulsão da água acelera o papagaio, fazendo girar as turbinas. E quando isto acontece, produz-se eletricidade”.

Os testes efetuados destinam-se a apurar qual a configuração mais eficiente do engenho, qual é a velocidade ideal e até que profundidade deve ir para melhor aproveitar o avanço das águas, que pode atingir quase metro e meio por segundo.

Segundo o engenheiro Neil Laughlin, “a velocidade das marés difere de acordo com a profundidade. A flexibilidade do papagaio permite-lhe deslocar-se em diferentes profundidades, dependendo de onde estiver a corrente mais favorável”.

“O objetivo não é que se desloque o mais rapidamente possível. A ideia é conseguir converter o máximo de energia que pudermos. Se formos rápido demais, o sistema fica sobrecarregado, podem surgir falhas ou problemas diversos. Por isso, é necessário otimizar a velocidade de acordo com a produção de energia”, precisa Heije Westberg.

Na zona onde decorrem estes testes existem focas. Os cientistas estão a desenvolver um sonar para detetar a presença de animais e compreender a sua interação com o engenho.

O objetivo é agora construir papagaios muito maiores, passando de 3 para 12 metros de largura. Cada um pode produzir 1,6 gigawatts de eletricidade por ano.

“Da turbina à parte eletrónica, até ao envio da eletricidade para a costa – estamos a rever todos estes componentes no sentido de os desenvolver, melhorar o seu desempenho e reduzir custos”, aponta Per Salomonsson, coordenador do projeto PowerKite.

Os primeiros engenhos totalmente desenvolvidos deverão começar a operar ao largo do País de Gales.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
O equilíbrio certo

futuris

O equilíbrio certo