This content is not available in your region

Traficantes obrigam centenas de migrantes a lançarem-se ao ao mar

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com AFP, REUTERS
Traficantes obrigam centenas de migrantes a lançarem-se ao ao mar

<p>Cerca de 300 migrantes foram forçados, nas últimas 24 horas, a lançarem-se ao mar por traficantes, ao largo da costa do Iémem.</p> <p>De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (<span class="caps">OIM</span>), esta quinta-feira (10 de agosto), cerca de 180 jovens, na sua maioria provenientes da Etiópia e da Somália, foram obrigados abandonar o barco onde seguiam.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Breaking: 180+ migrants forced from boat today, a day after 50 Somalis & Ethiopians were drowned by smugglers off <a href="https://twitter.com/hashtag/Yemen?src=hash">#Yemen</a>. <a href="https://t.co/piuSSNDgDu">pic.twitter.com/piuSSNDgDu</a></p>— <span class="caps">IOM</span> (@UNmigration) <a href="https://twitter.com/UNmigration/status/895586694228881408">August 10, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Estima-se que mais de 50 tenham morrido.</p> <p>Na quarta-feira, um grupo de cerca de 120 migrantes foi, também, lançado ao mar. </p> <p>“A equipa estava a patrulhar a mesma área, esta manhã, e encontrou sobreviventes de outro barco, o mesmo <em>modus operandi</em>… Tinham a mesma idade, o mesmo perfil, mas foram lançados ao mar mais perto de terra. Aparentemente, houve mais sobreviventes”, conta o chefe da missão da <span class="caps">OIM</span>, Laurent Boeck.</p> <p>Cerca de 69 pessoas conseguiram chegar às costas do Iémen.</p> <p>A Organização encontrou as campas rasas de 29 dos migrantes numa praia de Shabwa.</p> <p>“É a primeira vez. Talvez esteja relacionado com o facto de haver um reforço do controlo nas fronteiras. Os traficantes entram em pânico mas a reação é, realmente pior pois, ao invés de os impedir de entrar, basicamente, eles continuam os seus negócios matando pessoas”, assegura Boeck.</p> <p>A Organização Internacional para as Migrações condena os atos dos traficantes:</p> <p><blockquote class="twitter-video" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">“We condemn the acts of smugglers off the coast of <a href="https://twitter.com/hashtag/Yemen?src=hash">#Yemen</a>.” A message from our <a href="https://twitter.com/IOMchief"><code>IOMchief</a> Swing: <a href="https://t.co/lziQOzVmC5">pic.twitter.com/lziQOzVmC5</a></p>— IOM (</code>UNmigration) <a href="https://twitter.com/UNmigration/status/895671210079551488">August 10, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>O Iémen tem sido afetado por uma guerra civil desde finais de 2014 mas nem isso afasta os migrantes.</p> <p>Segundo a Organização Internacional para as Migrações, cerca de 55.000 pessoas abandonaram nações do Corno de África em direção ao Iémen desde o início do ano.</p> <p><em>Com: <span class="caps">AFP</span>, <span class="caps">REUTERS</span></em></p>