Última hora

Pai de terroristas mortos diz que filho Mohamed Aalla é inocente

Perante vários órgãos de comunicação social, Ibrahim Aalla não escondeu o contentamento com a libertação do filho mais velho ainda vivo, Mohamed, depois de perder outros dois filhos. Um deles morreu em Cambrils.

Em leitura:

Pai de terroristas mortos diz que filho Mohamed Aalla é inocente

Tamanho do texto Aa Aa

O pai de dois terroristas mortos – Youssef e Said Aalla – disse que o filho Mohamed Aalla, libertado provisoriamente, emprestou o Audi A3 com o qual se perpetrou o atentado no passeio marítimo de Cambrils ao irmão Said, abatido pela polícia.

Perante vários órgãos de comunicação social, Ibrahim Aalla não escondeu o contentamento com a libertação do filho mais velho ainda vivo, Mohamed.

“Ele não fez nada. Só deixou o carro para o irmão. Eu também não estava ao corrente de nada”, disse Ibrahim Aalla.

Além de Mohamed Aalla, outros três elementos foram detidos. Dois – Mohammed Houli Chemlal e Driss Oukabir – encontram-se em prisão preventiva. Sahal El Karib, o terceiro, ficou detido esta terça-feira, por mais 72 horas.

Esta quarta-feira, o ministro espanhol do Interior, Juan Ignacio Zoido Álvarez, e o homólogo francês, Gérard Collomb, fizeram um minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos atentados. Estiveram reunidos para discutir maior cooperação entre os dois países em matéria de terrorismo.

Também esta quarta-feira, o procurador de Paris, François Molins, confirmou que o Audi A3 que foi usado pelos terroristas em Cambrils esteve na zona da capital francesa uma semana antes dos atentados.

“Penso que ninguém pode acreditar, nesta fase, que a viagem relâmpago foi feita para comprar uma máquina fotográfica numa loja da FNAC. Precisamos de tentar perceber as razões desta viagem, o motivo pelo qual se deslocaram. Se foi para rever a cena, para recuperar coisas ou encontrar pessoas”, sublinhou François Molins.

Desde que a sombra terrorista se abateu sobre a Catalunha, a polícia prossegue as buscas em vários locais relacionados com os membros da célula jihadista suspeita de realizar os atentados.