Última hora

Túmulo com mais de 3.500 anos descoberto no Egito

Uma equipa de arqueólogos encontrou em Luxor um túmulo de um ourives que viveu há mais de 3.500 anos

Em leitura:

Túmulo com mais de 3.500 anos descoberto no Egito

Tamanho do texto Aa Aa

O Egito anunciou este sábado a descoberta de um túmulo da época faraónica de um ourives da realeza que viveu há mais de 3.500 anos durante a 18.ª dinastia.

O túmulo foi descoberto por uma equipa de arqueólogos na cidade de Luxor, no sul do país, na necrópole de Draa Abul Naga, onde eram sepultados nobres e altos funcionários do governo. No interior foram encontradas estátuas do ourives e da mulher e múmias de egípcios que viveram durante a 21.ª e a 22.ª dinastias.

O túmulo do “ourives de Amon, Amenamhat” tinha uma estátua que o representava sentado numa cadeira ao lado da mulher, vestido e de peruca, informou o Ministério de Antiguidades do Egito.

De acordo com um comunicado do ministério, uma passagem funerária no interior do túmulo conduzia a uma sala na qual os arqueólogos encontraram várias múmias, estátuas funerárias e máscaras. Outro corredor levava a uma segunda sala na qual se encontravam as múmias de uma mulher e de seus dois filhos. Os arqueólogos descobriram também 150 pequenas estátuas funerárias esculpidas em madeira, terra e pedra.

A arqueologia relançada ao socorro do turismo

Em meados de maio, uma equpa de arqueólogos descobriu 17 múmias em catacumbas na província de Menia, 200 quilómetros a sul do Cairo, anunciada então como “a primeira necrópole encontrada no centro do Egito com tantas múmias”.

Segundo o Ministério das Antiguidades do Egito, as 17 múmias poderiam datar do período tardio (712-332 a.C.), e pertenciam provavelmente a altos funcionários do governo e sacerdotes.

O Egito autorizou recentemente vários projetos arqueológicos, com o objetivo de relançar o turismo com novas descobertas e assim inverter a crise que afeta o principal pilar da economia egípcia depois de vários atentados no ano passado.