This content is not available in your region

Daesh divulga áudio de Al-Baghdadi

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com REUTERS
Daesh divulga áudio de Al-Baghdadi

<p>Abu Bakr Al-Baghdadi, o líder do autoproclamado Estado Islâmico, pode afinal estar vivo.</p> <p>O Daesh divulgou, na quinta-feira, uma gravação de áudio alegadamente do dirigente jihadista. A confirmar-se, esta seria a primeira comunicação de Al-Baghdadi em quase um ano, período no qual os extremistas islâmicos perderam a maior parte do território que controlavam no Iraque e na Síria.</p> <p>Os Estados Unidos da América consideram que Al-Baghdadi pode estar vivo, apesar de em junho deste ano, a Rússia ter avançado ter conseguido eliminar o líder jihadista, no mês anterior, na sequência de um bombardeamento da Força Aérea Russa a posições do grupo Estado Islâmico em Raqqa, no norte de Síria.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Islamic State releases audio of leader Al-Baghdadi, date unclear <a href="https://t.co/yr8cCCqH5Q">https://t.co/yr8cCCqH5Q</a> <a href="https://t.co/Q4bzWRSDHT">pic.twitter.com/Q4bzWRSDHT</a></p>— Reuters Top News (@Reuters) <a href="https://twitter.com/Reuters/status/913444847415066626?ref_src=twsrc%5Etfw">September 28, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>No áudio, Al-Baghdadi afirma que os Estados Unidos são “uma nação destruída” pela política externa, “dívida gigante” e “força militar ineficaz”, dando como exemplo os recente conflito entre os norte-americanos e a Coreia do Norte.</p> <p>O líder jihadista referiu-se, ainda, ao receio da Turquia em relação ao referendo de autodeterminação do Curdistão iraquiano que ocorreu na passada segunda-feira.</p> <p>Al-Baghdadi pediu ao seguidores para continuarem a lutar no Iraque e na Síria instando-os, ainda, organizar ataques que visem “as redações e empresa de ‘media’ ocidentais.” </p> <p>A data da gravação de áudio, de 46 minutos, é ainda desconhecida.</p> <p><em>Com: Reuters</em></p>