Última hora

Última hora

Os efeitos colaterais da estratégia anti-imigração de Trump

Gigantes como a Amazon, Oracle ou Facebook estão a reforçar a presença no México.

Em leitura:

Os efeitos colaterais da estratégia anti-imigração de Trump

Tamanho do texto Aa Aa

A estratégia anti-imigração de Donald Trump acabou por ter uma consequência inesperada para o México. Em termos práticos traduz-se num impulso – mesmo a calhar – para o setor tecnológico.

Animados pela facilidade em contratar engenheiros, peritos estrangeiros e mexicanos, gigantes como a Amazon, Oracle ou Facebook estão a reforçar a presença no país, enquanto se erguem muros nos Estados Unidos.

A Wizeline, empresa tecnológica de São Francisco, também se deixou contagiar pela facilidade em atrair jovens talentos de todo o mundo e aposta em peso no México. Conta com mais de 200 funcionários nas sedes da Cidade do México e Guadalajara.

“O facto de a engenharia ser uma profissão globalizada, em que muitas coisas se aprendem e partilham num idioma comum, que é o inglês, permitiu-nos trazer pessoas do Egito, Brasil, de muitas partes do mundo. É algo bastante benéfico para Guadalajara e para o México em geral”, sublinha o fundador da Wizeline, Vidal González.

Consciente da importância da responsabilidade social, a Wizeline também abre as portas à vinda de milhares de jovens ameaçados com a deportação dos Estados Unidos para os escritórios no México.

Em Guadalajara, a Startupgdl, uma organização sem fins lucrativos com apoio oficial, tenta atrair “start-ups” com elevado potencial tecnológico para a região.

“Neste momento temos 60 ‘start-ups.’ A maioria vem dos Estados Unidos, de lugares como Austin ou Silicon Valley e estão realmente interessadas em mudar-se para o México. É um país disposto a acolher todas as pessoas com talento que queriam regressar ou que venham de outros países para fazer parte desta indústria tecnológica. Damos-lhes as boas-vindas e esperamos de braços abertos”, diz Cindy Blanco, diretora-geral da Startupgdl.

De acordo com números oficiais, mais de 11 milhões de pessoas trabalham nos setores da ciência e tecnologia no México. Em 2016 registou-se um crescimento de 20%.

Os trabalhos relacionados com o desenvolvimento de software aumentaram entre 7% e 10% na Cidade do México, Guadalajara e Monterrey.