Última hora

Última hora

Roménia: "Suspeitos vão ter que ser informados das operações anticorrupção"

Em leitura:

Roménia: "Suspeitos vão ter que ser informados das operações anticorrupção"

Tamanho do texto Aa Aa

Enquanto os protestos engrossam as ruas da Roménia, uma destacada senadora do Partido Social Democrata, no poder, declarou que a principal procuradora anticorrupção do país, Laura Kovesi, tem que deixar o cargo. Kovesi lidera o diretório nacional anticorrupção encarregue de investigar altas individualidades.

A euronews perguntou a Laura Kovesi porque é contra a reforma do sistema judicial em curso.

"Se estas propostas forem implementadas, não poderemos combater de forma eficiente a corrupção e a nossa atividade ficará seriamente afetada. Estas alterações ampliam a autoridade do ministério da Justiça sobre os procuradores e eliminam algumas ferramentas de investigação muito úteis", explica Laura Kovesi.

A coligação no poder, liderada pelos sociais-democratas, nega qualquer má conduta. Mas a União Europeia, bem como o conselho da Europa, exprimiram preocupações sobre a reforma judicial.

Até que ponto as alterações previstas vão prejudicar o trabalho de quem investiga políticos corruptos apanhados em flagrante?

"Habitualmente nós organizamos operações para apanhá-los em flagrante, mas agora, com estas propostas, já não podemos fazer isso mais - porque temos que anunciar ao visado... Por isso, nesta situação, o procurador vai ter que telefonar ao suspeito - olá, temos uma queixa contra si e queremos apanhá-lo em flagrante. Pode vir às nossas instalações participar nos nossos interrogatórios e atividades... Depois disso é óbvio que não o podemos apanhar", diz.

O Tribunal Constitucional da Roménia eliminou alguns detalhes das leis judiciais votadas em meados de dezembro. Mas existem receios de que a reforma do Código do Processo Penal inflame ainda mais os protestos em todo o país.