Última hora

Última hora

Pescadores dos Países Baixos temem efeitos do Brexit

Em leitura:

Pescadores dos Países Baixos temem efeitos do Brexit

Tamanho do texto Aa Aa

No Reino Unido, o Brexit está a causar divisões e uma cisão no conselho de ministros, com o tema em discussão.

Enquanto os politicos trocam farpas, negócios dos dois lados do canal estão a sentir o peso da incerteza das negociações sobre o futuro do mercado britânico.

Esta segunda-feira os ministros encontraram-se em Bruxelas para discutir o progresso do Brexit. E nós levamo-lo aos Países Baixos, onde a saída do Reino Unido pode ter graves consequências para a indústria da pesca.

É manhã cedo, em Harligen, no norte dos Países Baixos.

Um barco de pesca regressa com o fruto de uma semana de trabalho no mar. Linguados e solhas, sobretudo.

É das lucrativas águas do Reino Unido que vem este peixe.

Mas, com o Brexit a aproximar-se, os pescadores holandeses temem ser forçados a pescar em outros mares.

Tromp Van Slooten é proprietário de uma embarcação e conta como o Brexit está a influenciar o setor da pesca.

"Agora, com o Brexit, estão a deixar as águas inglesas e a ir para as holandesas e alemãs, o que leva a haver muita pesca num único s'itio. E isso não é bom para a pesca. Não acredito que seja a melhor solução, irmos para o Brexit e deixarmos as nossas águas. Acho que não é bom para o futuro."

O peixe de Tromp é levado por estrada até ao mercado de Urk, uma cidade a 90 minutos de distância.

A pesca é a base da economia local.

Aqui, o peixe é separado, pesado e vendido.

O jornalista da Euronews Damon Embling revela o peso desta indústria na economia da cidade.

"O mercado de peixe é o coração de Urk. Cerca de um terço do peixe dos Países Baixos é comprado e vendido nesta cidade e 40% desse peixe vem das águas do Reino Unido."

Urk é uma pitoresca cidade costeira.

Símbolos da sua herança piscatória estao por todo o lado.

Muitas vidas dependem do negócio da pesca.

Para a associação de pescadores Visned, Geert Meun, está em causa o futuro de muitos trabalhadores.

"O pior cenário é termos de fechar muitas fábricas, desmantelar embarcações, porque as águas britânicas são muito importantes para nós. Se não pudermos pescar mais lá, será desastroso para nós".

A menos de um ano do Brexit, o setor da pesca diz ter sido deixado num limbo paralizante, como sublinha Andreas De Boer, Diretor Osprey Trawlers.

"Há muitas perguntas, mas ainda todas sem resposta."

Urk não está sozinha, outras cidades piscatórias dos Países Baixos enfrentam o mesmo dilema.

Assim como outros países da União Europeia.

Mas há algum otimismo, como se sente nas palavras de Gerard Von Balsfoort, Presidente da European Fisheries Alliance.

"De Espanha a Suécia, da Irlanda a Alemanha, todos pescam em águas britânicas. No final, creio que vamos acabar com uma solução semelhante a que temos agora, o mesmo estatuto: mercadoria partilhada, mercado partilhados".

O negociador do Brexit na Uniao Europeia afirmou haver um interesse mutuo em encontrar um acordo equilibrado para a industria da pesca.

Mas, pela frente, ainda há águas conturbadas.