Última hora

Última hora

As mensagens por um mundo melhor nos Prémios Europeus de Liderança

Em leitura:

As mensagens por um mundo melhor nos Prémios Europeus de Liderança

Tamanho do texto Aa Aa

A entrega dos prémios europeus de Liderança enviou várias mensagens globais por um mundo melhor. Da liberdade de imprensa e informação à limpeza dos oceanos ou à luta anticorrupção, as distinções em Bruxelas recompensaram o esforço europeu por um mundo melhor para todos.

O presidente do Parlamento Europeu foi chamado ao palco, no Palácio d'Egmont, para entregar a título póstumo um prémio de reconhecimento à jornalista Daphne Caruana Galizia, reconhecida ativista anticorrupção assassinada em outubro com recurso a um carro armadilhado.

"Não podemos esquecer o que se passou. É preciso saber quem decidiu matar Dafne Caruana Galizia. Se foram apenas os assassinos que a polícia deteve ou se há outras pessoas implicadas. A defesa da liberdade de imprensa e da informação é a defesa da nossa liberdade", sublinhou Antonio Tajani à Euronews.

Entre os premiados nas diferentes nas cinco categorias propostas a votação, Florin Badita foi eleito "Personalidade Europeia do Ano".

O romeno, de 29 anos, fundou o grupo cívico "Corruption Kills" (tr.: "A Corrupção Mata") e ajudou, por exemplo, a criminalizar na Roménia casos de corrupção abaixo dos 45 mil euros.

"Espero que esta seja uma boa mensagem para as pessoas na Roménia, mas também para todos os europeus e para o mundo. Para que vejam que quando lutamos contra a injustiça, pode levar tempo, mas eventualmente ganhamos", disse Badita à euronews após ter sido eleito num alista que inclua também os ativistas políticos András Fekete-Gyor, da hungria, e Barbara Nowacka, da Polónia.

Para "Empreendedor Europeu do Ano" foi escolhido o ambientalista Boyan Slat. antigo aluno de Engenharia Aeroespacial, o holandês de apenas 23 anos foi o preferido numa lista em que figurava também o português António Lucena de Faria (Fábrida de Startups).

Slat acabou distinguido pela fundação "The Ocean Cleanup" (tr.: "A Limpeza do Oceano"), que criou aos 18 anos.

"É de facto muito bom que as pessoas reconheçam a necessidade da limpeza dos oceanos e que o juri nos tenha dado importância nessa tarefa. Aplaudo a Europa pelos esforços de se assumir como líder na parte legal da solução deste problema. Ao mesmo tempo, devemos garantir antes de mais que não deitamos mais plástico nos oceanos. Penso que os governos podem ter um papel importante nisto", afirmou Boyan Slat à Euronews.

Destaque também para Edyta Kocik, a única mulher premiada. A polaca, de 29 anos, foi eleita na categoria de "Diretor Executivo Europeu do Ano" pela liderança da SiDLY, empresa fundada há quatro anos e revolucionária no setor médico.

A SiDLY desenvolveu uma pulseira eletrónica que permite aos pacientes serem monitorizados à distância e serem socorridos em caso de um "SOS" ser enviado para as equipas de emergência médica.

A empresa polaca destaca vários casos de sucesso na respetiva página de internet e continua a apelar a financiamento para continuar a desenvolver o produto.

Os prémios europeus de liderança destacaram também o húngaro Krisztián Imre. O diretor da EVA (Extended Visual Assistant) foi eleito "Inovador Europeu do Ano" pelo desenvolvimento de uns óculos que permitem converter imagens e sons em texto para pessoas com graves problemas de visão.

Na categoria mais mediática da noite, o presidente de França foi distinguido como "Líder Europeu do Ano". A distinção foi anunciada pelo diretor executivo da Euronews, Michael Peters, e foi recebido pelo embaixador francês na União Europeia, Philippe Leglise, devido a ausência na cerimónia de Emmanuel Macron.