Última hora

Última hora

Eficiência de Yazeed Al Rajhi vale triunfo no Rali Rota da Seda

Em leitura:

Eficiência de Yazeed Al Rajhi vale triunfo no Rali Rota da Seda

Eficiência de Yazeed Al Rajhi vale triunfo no Rali Rota da Seda
Tamanho do texto Aa Aa

O piloto saudita Yazeed Al Rajhi, de 37 anos, foi o vencedor do Rali Rota da Seda.

Ao volante de um Mini, Yazeed Al Rajhi nem precisou de ganhar qualquer uma das sete etapas da prova, que ligou Astrakhan, no sudeste da Rússia, até à capital Moscovo, em plena Praça Vermelha, ao longo de quase 3500 quilómetros.

Foi a primeira vitória de Yazeed Al Rajhi neste rali, superando em mais de uma hora na classificação geral dos automóveis o qatari Nasser Al Attiyah (Toyota), segundo classificado, e o francês Mathieu Serradori (MCM Original), que fechou o pódio já a mais de cinco horas do vencedor.

Apesar da maior experiência e do triunfo em três etapas, Nasser Al Attiyah enfrentou vários problemas mecânicos, como a perda de tração total na sua Toyota Hylux Overdrive em três tiradas distintas, que o impediram de chegar mais longe.

Quanto à derradeira tirada, entre Lipetsk e Moscovo, com 497 quilómetros de extensão, o mais rápido foi o britânico Harry Hunt, somando assim com o seu Peugeot 3008 DKR Maxi a segunda vitória em etapas da competição.

Domínio russo nos camiões

Já na competição de camiões, o russo Andry Karginov voltou a impor a lei dos Kamaz no Rali Rota da Seda.

O piloto, de 42 anos, bateu a oposição do companheiro de equipa Ayrat Mardeev em 18 minutos e dois segundos, relegando ainda para o terceiro lugar final o também compatriota Anton Shibalov.

Karginov conseguiu ainda o feito de juntar a vitória desta sexta-feira aos anteriores êxitos no Rali Dakar e na Africa Eco Race, completando dessa forma um ciclo de sucesso na Europa, África e América do Sul.

A prova de 2018 foi igualmente mais um exemplo do domínio dos camiões da Kamaz na Rota da Seda, com o quinto triunfo consecutivo e o sétimo em oito edições realizadas desde 2009.

Por fim, a vitória na etapa de despedida coube ao holandês Maarten Van den Brink, aos comandos de um Renault.