UE e EUA convergem sobre tecnologia e comércio

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
Anthony Blinken
Anthony Blinken   -   Direitos de autor  Saul Loeb/AP

Estados Unidos e União Europeia tentam ultrapassar as diferenças no campo comercial, nomeadamente o diferendo sobre os subsídios e reduções fiscais dadas pelo governo norte-americano às empresas que produzem carros elétricos e outros produtos da chamada "tecnologia verde": Esse foi o objetivo deste Conselho para a Tecnologia e Comércio, que juntou os dois lados do Atlântico em College Park, nos Estados Unidos.

"Chegámos a um acordo notável sobre os semicondutores, sobre a prevenção de novas ruturas de stock e como assegurar que temos uma visão para o futuro, mas também sobre a transparência e os subsídios", disse a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager.

O secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, realça também os progressos alcançados: "Foi feito um trabalho muito positivo ao longo destas três sessões, seja no que toca à convergência no controlo das exportações, seja no mecanismo muito poderoso para lidar com a agressão russa à Ucrânia, em garantir uma cadeia de abastecimento segura, particularmente de semicondutores, convergência nos mecanismos de verificação, tanto das entradas como das saídas, e convergência na forma de lidar com as práticas anticomerciais de certos países. Em todas essas áreas, este conselho fez um progresso muito concreto", disse.

Este conselho fez um progresso muito concreto.
Anthony Blinken
Secretário de Estado norte-americano

O programa governamental de apoio à indústria dita "verde" nos Estados Unidos está orçado em 369 mil milhões de dólares e inclui subsídios e reduções fiscais às empresas que produzem em solo norte-americano ou que usam produtos norte-americanos. A União Europeia considera que esta política dá uma vantagem injusta aos Estados Unidos e cria distorções, tal como frisou a presidente Ursula von der Leyen.