This content is not available in your region

"Cheguei tarde à maturidade"

"Cheguei tarde à maturidade"
De  Euronews

<p>Renée Fleming tornou-se conhecida como a Diva do Povo. A soprano americana é uma das maiores vozes do canto lírico da actualidade. </p> <p>Os primeiros passos de Renée Fleming nesta arte não foram fáceis, como nos contou antes de actuar em Helsínquia, na Finlândia. </p> <p>Renée Fleming:</p> <p>“- A minha voz foi um verdadeiro desafio porque tecnicamente eu tinha muitos problemas. </p> <p>E só mais tarde é que acabei por desenvolver uma espécie de paixão pelo canto, eu não era uma artista nata. Escutei recentemente algumas das minhas primeiras gravações e fiquei surpreendida pela forma indistinta como eu soava nos meus 20 anos. Acho que a minha voz demorou bastante a desenvolver-se. Eu sei que a minha técnica demorou bastante a desenvolver-se, assim como a minha capacidade para dizer algo em palco. Eu diria que cheguei tarde à maturidade.”</p> <p>A voz de Renée Fleming tornou-se única porque contém um elemento que recorda o desejo, uma espécie de saudade. A soprano revela-nos como alcançou este timbre.</p> <p>Renée Fleming: </p> <p>“- Trata-se de uma combinação de duas sensibilidades musicais que eu tenho. Uma vem do meu passado no jazz, porque existe uma liberdade de que eu me apropriei e que agora aplico na forma como abordo uma frase. A segunda parte é o conceito de Tragen, de transportar uma frase de modo a que o ouvido a possa acompanhar e isso é o que eu penso que mais do que outra coisa qualquer cria o conceito de desejo na música. </p> <p>Eu sou uma pessoa completamente dependente da reacção do público. Quando não sinto nada da parte da audiência, eu aprendi a não entrar em depressão de imediato porque descobri que alguns públicos são ouvintes atentos e não exprimem necessariamente nenhum sentimento até ao fim do espectáculo. Com a experiência tornei-me menos vulnerável a esta situação.”</p> <p>Nesta reportagem Renée Fleming canta duas árias de Giacomo Puccino: “Donde lieta uscì” de La Bohème e “O mio babbino caro” de Gianni Schicchi.</p>