This content is not available in your region

Riccardo Muti levou os "Caminhos da Amizade" até ao Irão

Riccardo Muti levou os "Caminhos da Amizade" até ao Irão
De  Euronews

<p><strong>O Festival de Ravena, em Itália, foi palco este ano de um encontro histórico. A 20a. edição dos</strong> <a href="http://www.ravennafestival.org/en/le-vie-dellamicizia/">Caminhos da Amizade</a>, <strong>criados pelo maestro Riccardo Muti, juntou músicos italianos e iranianos num concerto de Verdi que teve lugar em Teerão e em Ravena.</strong></p> <p>O evento voltou a sublimar o princípio de estabelecer pontes com países que, por variados motivos, se viram privados de um contacto aberto com o resto do mundo. Mas o Irão só autorizou a <a href="http://www.huffingtonpost.fr/fariba-hachtroudi/teheran-debout-pour-riccardo-muti_a_23028211/">realização do evento</a> no último minuto. </p> <p><em>“Este concerto foi o mais ousado de todos. Tanto por causa da situação política internacional, como pela interdição da música no país após a revolução islâmica. A Orquestra Sinfónica de Teerão e o coro foram reestabelecidos há dois anos. Depois das eleições presidenciais, o senhor Rohani abriu-nos as portas…”</em>, afirma Muti.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="fr"><p lang="en" dir="ltr">Could <a href="https://twitter.com/hashtag/Verdi?src=hash">#Verdi</a> help bridge the divide between <a href="https://twitter.com/hashtag/Iran?src=hash">#Iran</a> and the west? <a href="https://t.co/vkcOMy7D1i">https://t.co/vkcOMy7D1i</a> … … via <a href="https://twitter.com/FT"><code>FT</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/RoadsofFriendship?src=hash">#RoadsofFriendship</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/RiccardoMuti?src=hash">#RiccardoMuti</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Muti?src=hash">#Muti</a></p>&mdash; Masoud Mostajabi (</code>MMosta1206) <a href="https://twitter.com/MMosta1206/status/887115432955662336">18 juillet 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Uma oportunidade para músicos como a violoncelista Honey Kazerooni tocarem pela primeira vez fora do Irão. <em>“Estou muito feliz por encontrar pessoas doutras partes do mundo, doutras culturas, com uma história diferente, com outro tipo de arte. Foi a primeira vez que toquei numa ópera. Não tem nada a ver com tocar numa sinfonia. É muito maior. Temos de seguir os cantores, acompanhar tudo o que se passa à volta. Irei sempre dizer a toda a gente que tive a oportunidade de trabalhar com o maestro Riccardo Muti”</em>, declara.</p> <p>Uma vez que a República Islâmica <a href="https://www.theguardian.com/world/iran-blog/2014/aug/29/women-singing-islamic-republic-iran">proíbe que as mulheres cantem a solo</a>, os trechos apresentados foram exclusivamente interpretados por cantores italianos.</p> <p><em>“Nós não nos imiscuímos na política dos países que visitamos. Preferimos manter-nos afastados disso. Não vou criticar as razões que impedem uma soprano de subir ao palco. Prefiro destacar o facto de que há homens e mulheres lado a lado na orquestra. E esse é um grande passo”</em>, considera o maestro.</p> <p>Segundo Muti, <em>“a escolha de um programa exclusivamente dedicado a Verdi foi acertada porque é um compositor universal. Como disse o poeta italiano Gabriele d’Annunzio: ‘Ele chorava de amor por toda a gente’”.</em></p>