This content is not available in your region

Brexit: Barnier dá duas semanas a Londres para fechar divórcio

Access to the comments Comentários
De  Isabel Silva  com EFE
Brexit: Barnier dá duas semanas a Londres para fechar divórcio

<p>Duas semanas foi quanto o negociador da União Europeia para o Brexit deu ao Reino Unido para fechar os três capítulos sobre o acordo de saída, por modo a ter tudo pronto para passar para a segunda etapa da negociação, em dezembro. </p> <p>“Devemos e queremos criar segurança, incluindo do ponto de vista jurídico, nas questões do Brexit que causam incerteza e inquietação”, disse Michel Barnier, sexta-feira, na conferência de imprensa após o final da sexta ronda negocial. </p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Brexit never? Britain can still change its mind, says Article 50 author <a href="https://t.co/rTvwnm2GVy">https://t.co/rTvwnm2GVy</a> <a href="https://t.co/oOiKZ2x1ij">pic.twitter.com/oOiKZ2×1ij</a></p>— Reuters Top News (@Reuters) <a href="https://twitter.com/Reuters/status/928975573493350400?ref_src=twsrc%5Etfw">November 10, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Os três capítulos são os direitos dos cidadãos, o acordo financeiro e o estatuto da fronteira irlandesa. </p> <p>Nesta última questão, o ministro britânico, David Davis, disse que é preciso flexibilidade, mas deixou um aviso. </p> <p>“Reconhecemos a necessidade de soluções específicas para as circunstâncias únicas do norte da Irlanda. Mas, deixem-me ser claro, isso não pode criar uma nova fronteira no interior do Reino Unido”, explicou o governante. </p> <p>“Embora tenham havido algum progresso, ambas as partes têm muito trabalho pela frente nos temas cruciais. O tempo escasseia porque a cimeira dos líderes da União Europeia é daqui a um mês e a Grã-Bretanha está desesperada para passar à próxima fase de negociações sobre o futuro acordo comercial e de parceria”, acrescenta o correspondente da euornews em Bruxelas, Damon Embling.</p>