Última hora

Última hora

Combate ao abandono escolar

Em leitura:

Combate ao abandono escolar

Tamanho do texto Aa Aa

Na Argentina, mais de 22 por cento da população vive abaixo do limiar da pobreza. Nas favelas, muitas crianças trabalham para facilitar a sobrevivência dos pais enquanto outros jogam futebol ou consomem drogas. Acabam por não ir à escola, mas o Estado argentino está a conseguir inverter a tendência graças à Assignação Universal por filho. Trata-se de um apoio social que consiste num subsídio atribuído a cada filho, menor de 18 anos, escolarizado.

Estima-se que mais de 3,5 milhões de crianças recebam por mês 220 pesos, qualquer coisa como 37 euros. O número de crianças escolarizadas a nível nacional aumentou 27 por cento no ano passado.

Sem escola não há subsídios

Para combater o abandono escolar, o Governo francês decidiu cortar os subsídios a todas as famílias cujos filhos se ausentem mais de quatro dias por mês sem justificação. Uma lei que este ano foi aplicada a 51 famílias. Outras 30 mil já receberam um aviso formal.

O inspetor-chefe para as escolas, Philippe Fatras, alerta que “o abandono escolar é uma mensagem enviada pelo aluno. Quando um adolescente deixa de vir à escola quer dizer qualquer coisa, muitas coisas, na verdade. Que está descontente com a vida, que está infeliz na escola. O que quer dizer que a escola não está adaptada, que ele não consegue seguir em frente. Há imensas mensagens diferentes e é sempre muito difícil descodificá-las.”

Aprende-se melhor de barriga cheia

Na Etiópia, o pastoreio e a vida itinerante arrasta milhares de crianças para longe da escola.

Conseguir uma educação primária universal antes de 2015 é o objetivo do Governo etíope, que com a ajuda do Programa Mundial de Alimentos pôs em marcha milhares de cantinas escolares.