Última hora

Última hora

A Ucrânia e a UE

Em leitura:

A Ucrânia e a UE

Tamanho do texto Aa Aa

Com a ajuda do PEJ, Parlamento Europeu dos Jovens

Pergunta de Anna, jovem ucraniana:

“-Quando é que a Ucrânia vai ser parte da União Europeia?”

Resposta de Peter Stano, porta-voz para o Alargamento Europeu e política de vizinhança:

“O alargamento da União Europeia não está limitado no tempo. Os países que querem aderir têm de preencher completamente os critérios e adaptarem-se. Os critérios aplicam-se a várias áreas, democratica, económica, etc.
Quanto à Ucrânia, ela não está propriamente no programa de alargamento.
O alargamento está a ser debatido com países como a Turquia, a Islândia, a Sérvia, Croácia e Montenegro.

A Ucrânia é encarada pela União Europeia no âmbito da Política Europeia de Vizinhança e da sua dimensão oriental, que é chamada Parceria Oriental.

Esta parceria oriental é um instrumento ou programa da UE para trabalhar com os vizinhos de leste e a Ucrânia não apenas é um deles como é bastante ativa.
Trabalhamos com estes países para os trazer para perto da Europa no que respeita a princípios, valores, cooperação.

Especialmente à luz da cooperação prática: só em dezembro de 2011 concluimos as negociações no texto do acordo de associação, quando foi assinado e ratificado. Algo sem precedentes, pois a Ucrânia fica assim mais próxima da política europeia e nós asseguramos todos os esforços para integrar economicamente a Ucrânia na UE.

Claro que, se falamos em estreitar os vínculos entre ambas partes, temos de ter em conta que na Europa se gerou uma série de expetativas.
Atualmente, não é evidente que a Ucrânia queira aderir às normas democráticos europeias. E um exemplo é o funcionamento do aparelho judicial; os julgamentos seletivos que se estão a fazer contra os antigos membros do governo, como Yulia Timochenko. Do nosso ponto de vista, a justiça está demasiado seletiva. E isso preocupa-nos. Ou seja, que até que não vejamos sinais claros de que Ucrânia está comprometida com os valores democráticos imprescindíveis para a Europa, não podemos avançar para outro tipo de relação. E não podemos falar de uma integração plena”.

“Se também deseja colocar uma questão, fa4a-o através do nosso site.”