Última hora

Última hora

A "fanciulla" de Puccini brilha em Monte Carlo

Em leitura:

A "fanciulla" de Puccini brilha em Monte Carlo

Tamanho do texto Aa Aa

A Casa da Ópera de Monte Carlo abriu a nova temporada com uma das, porventura, menos conhecidas obras de Puccini. Mas “La fanciulla del West” é também umas das mais complexas obras musicais do compositor italiano.

A norte-americana Meagan Miller, uma das mais promissoras sopranos a nível internacional, assume o papel principal. A “fanciulla” de Meagan é uma mistura equilibrada de inteligência, romantismo e força. “Ela está a viver nesta cidade com todos estes homens, todos eles apaixonados por ela. Minnie consegue mantê-los a seus pés sem ter sequer de os beijar. É interessante. Ela é muito esperta. É uma sobrevivente”, conta Meagan Miller sobre a personagem a que dá vida em “La fanciulla del west.”

O maestro israelita Pinchas Steinberg, de 66 anos, foi o condutor de “La fanciulla del west” em Monte Carlo e descreve esta ópera como “muito perigosa”: “Os cantores dizem-me: ‘Sabe maestro, a orquestra tem um som tão alto que nós nem ouvimos as vozes…’ Mas esta é a forma como Puccini escreveu esta obra. Ele queria os sopros e a percussão a soar ‘fortississimo’. É claro que o posso fazer, mas não há cantor no mundo que consiga colocar-se acima disto. Temos de o fazer como Puccini o imaginou e é como deve ser feito”, defende Steinberg.

O diretor da Ópera de Monte Carlo, Jean Louis Grinda, lembra que esta foi “a primeira ópera da história composta de propósito para a Ópera Metropolitana de Nova Iorque”. “Foi escrita em 1910 e, nessa altura, todas as pessoas tinham alguém na família que havia participado na Corrida ao Ouro e na conquista do Oeste. Puccini produziu algo absolutamente inédito para o Novo Mundo. Ele ofereceu à América a sua primeira ópera nacional, levado para o palco com música”, recorda Jean Louis Grinda.

Minnie, a personagem, cresce ao longo da ópera. Ela vai apaixonar-se por Ramirez, o bandido. É beijada pela primeira vez, mas depois sente-se traída por ele. Mais à frente Minnie vai defender e salvar o homem dela com todas as suas forças. “Existe um tipo de grandeza e expansividade nos personagens com que me identifico perfeitamente”, assume Meagan Miller, recordando a infância: “Quando tinha cinco ou seis anos disse a toda a gente que iria ser o presidente. Desde pequena que tenho esta mania de sonhar em grande.”

Colocando o foco em Minnie, a soprano norte-americana destaca a capacidade de observação da protagonista sobre os que a rodeiam. “Ela sabe que o Jack Rance, o xerife, não resiste a um jogo de póquer e usa isso para o ter nas mãos. Ela também o engana, mas não quer saber. Minnie vai fazer o que tiver de ser para sobreviver. E há algo assim também em mim – mas não a parte da traição”, ressalva, bem disposta, Meagan Miller.

Pinchas Steinberg não tem dúvidas: “A orquestra é a verdadeira protagonista”. O próprio Puccini, segundo o maestro israelita, disse: “Já estou cansado das ‘Butterflys’, das ‘Toscas’ e das ‘La Bohèmes’. Vou seguir um caminho diferente”. “Na verdade”, explica Steinberg, esta “é uma obra sinfónica, mas com vozes”. “Na minha opinião pessoal, é a obra-prima de Puccini”, remata o maestro.

Para mais excertos da nossa entrevista com Jean Louis Grinda, diretor da Casa da Ópera de Monte Carlo, clique na seguinte ligação:
http://fr.euronews.com/2012/12/13/interview-bonus-jean-louis-grinda