Última hora

Em leitura:

As oportunidades de carreira no sector industrial


generation-y

As oportunidades de carreira no sector industrial

Em parceria com

Muitos jovens europeus cresceram com a ideia de que as fábricas eram uma coisa do passado mas há regiões europeias onde a indústria prospera e recruta trabalhadores. É o caso de Eindhoven, no sul da Holanda, um novo eldorado para muitos jovens qualificados.

A fábrica de peças Smits é uma das empresas da região que procura trabalhadores qualificados. Contratou recentemente Iñigo Nóvoa, um técnico espanhol acabado de sair da escola.

“Tenho muito amigos aqui e conheço pessoas em Espanha que querem vir para cá porque aqui quem quiser aprender e quem quiser ser alguém, tem uma boa oportunidade”, conta o jovem espanhol de 22 anos.

A Smits tem duas pessoas dedicadas à formação. Ana Rodríguez, do País Basco ainda não terminou o curso mas já está a fazer um estágio para adquirir experiência: “Somos estudantes, mas somos tratados como trabalhadores. Temos as nossas horas de trabalho, a nossa própria máquina e fazemos as nossas peças. Somos como um trabalhador normal, a diferença é que há alguém que nos ensina coisas novas.”

A empresa holandesa colabora com instituições de formação profissional para que os currículos correspondam às necessidades do mercado de trabalho.

O Diretor da Smits, Michael Smits, defende que as empresas devem ter um papel activo na educação dos jovens.

“As empresas devem ser pró-activas, procurar estudantes, fazer com que eles se interessem por esta área, e mostrar-lhes que não é um trabalho sujo, é uma área muito interessante. Se as empresas tomarem consciência dessa responsabilidade é positivo para toda a indústria”, considera Michael Smits.

A empresa holandesa colabora com o centro de formação regional que integra vinte escolas técnicas.

Tinus Van de Pas é o coordenador de projetos Internacionais.

A escola organiza numerosos intercâmbios internacionais através de um programa europeu dedicado à formação profissional, o Leonardo da Vinci.

“Há muitos estudantes na Europa com boas qualificações. Eles trazem conhecimento e também outra coisa muito importante: trazem cultura, porque Eindhoven tem uma indústria ligada ao design e é muito bom que as pessoas na Europa trabalhem em equipa e se juntem para pensar e inovar”, diz Tinus Van de Pas.

Em Eindhoven, inventam-se e fabricam-se produtos. A região precisa tanto de cérebros como de “mãos inteligentes”.

Atrair talentos é a missão da “Brainport Development”, uma estrutura que integra representantes do governo, das empresas e das instituições de ensino.

“Procuramos ​​engenheiros de todas as categorias. Há muitas regiões do mundo que também procuram engenheiros. Toda a gente procura o mesmo tipo de talentos, o que o torna a tarefa um pouco difícil”, afirma Marc Jacobs, da Branport Developement.

De acordo com um artigo recente da revista alemã Der Spiegel, algumas regiões industriais do sul da Alemanha têm dificuldade em atrair trabalhadores de outros países. Muitos jovens qualificados do Sul de Europa nao apreciam o estilo de vida local. Um problema que não afeta Iñigo. O jovem basco sente-se bem em Eidhoven: “Há muita vida cultural, todos os fins de semana há atividades, festivais, concertos, arte, há sempre algo para fazer.”

Artigo seguinte

generation-y

Estaremos à beira de um conflito de gerações?