Última hora

Última hora

Alerta máximo nos Estados Unidos da América

Em leitura:

Alerta máximo nos Estados Unidos da América

Tamanho do texto Aa Aa

Alerta, medo e confusão em Estados Unidos. Desde a explosão das duas bombas, na segunda-feira na meta da maratona de Boston, os norte-americanos tão tiveram tempo para recuperar.

O que devia ser um acontecimento desportivo com público familiar, converteu-se num pesadelo que custou a vida a três pessoas e causou 176 feridos graves.
O drama, que aconteceu no Dia dos Patriotas, é o mais grave desde os atentados de 11 de setembro de 2001.

No mesmo dia, mais tarde, deu-se outra explosão, que não provocou vítimas, na biblioteca John F Kennedy, também em Boston.

O FBI e a Secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, informaram de imediato o presidente. A Casa Branca reagiu com a divulgação de uma fotografia. Na primeira conferência de imprensa, Barack Obama mostrou-se prudente sobre a natureza do incidente:

“Ainda não sabemos quem é o autor do atentado, portanto não devemos adiantar conclusões antes de ter todos os dados. Mas que ninguém tenha dúvidas de que vamos chegar até ao fundo e vamos saber quem fez isto e porquê.”

Ainda nehuma organização reinvindicou a autoria do que parece um ataque planificado meticulosamente. No local, a polícia recolhe todas as provas que possam fazer avançar a investigação. Na terça-feira, publicou fotografias dos restos de um artefacto explosivo: a tampa de uma panela de pressão e o que parece um destroço de circuito do detonador, pregos e berlindes metálicos. Este tipo de artefactos, simples panelas de pressão carregadas com pregos, já se descobriram antes, nos Estados Unidos, como no ataque abortado de Times Square, no dia 1 de maio de 2010.
Na terça-feira, Obama falou pela primeira vez de atentado:

Barack Obama. Presidente de Estados Unidos:

“Foi um ato odioso e cobarde , e se nos basearmos no que sabemos, o FBI está a investigar um ato de terrorismo. Cada vez que se utilizam bombas contra civis inocentes, é terrorismo”.

Mas não é o único fato inquietante. Na terça-feira a polícia intercetou uma carta sem remetente com ricino, um veneno muito potente, dirigida ao senador republicano Roger Wicker. Os norte-americanos revivem a psicose criada pelas cartas com antrax, depois dos atentados do 11-S. Em Washington disparam os alertas:

Shennel Antrobus. Porta-voz da polícia do Capitolio:

“A única coisa que lhes posso dizer é que estamos a investigar os suspeitos, mas é tudo o que lhes posso dizer pelo momento.”

A análise de outros envelopes suspeitos revela-se negativa, mas não a que estava endereçada a Barack Obama, também com data de 8 de abril e envelope franqueado em Menphis. Uma semana de pesadelo que está longe de terminar.

A Euronews falou com a correspondente da ABC, Brandi Hitt, sobre uma semana muito agitada para os Estados Unidos.

Euronews: Bombas explodiram em Boston, uma carta suspeita de estar envenenada foi enviada ao Presidente e agora uma explosão numa fábrica de fertilizantes. Pode descrever o sentimento geral em relação aos incidentes trágicos desta semana?

Brandi Hitt: Aqui, na cidade de West, Texas, onde a explosão ocorreu durante a noite, as pessoas estão muito emotivas e tristes. Ainda estão à procura de pessoas desaparecidas nesta enorme explosão.
O presidente Obama emitiu um comunicado a dizer que os seus pensamentos e as suas orações destinam-se a esta comunidade, que tem cerca de 2 800 pessoas. É uma cidade pequena, a sul de Dallas, e agora toda a gente está triste. Estão a tentar-se apoiar uns aos outros. Temos pessoas que têm trazido, continuamente, comida, mantimentos, que têm cozinhado para as famílias deslocadas.
Ainda têm medo, porque há uma ligeira possibilidade de que possam surgir outros perigos. Mas neste momento eles não acreditam que possa haver outra explosão. Eles estão a ser muito cuidadosos na procura porta a porta por pessoas.

E: O outro perigo a que se referiu é a possível ameaça de uma nuvem tóxica?

BH: Temos cerca de 180 pessoas no hospital. Estão a verificar se há feridas que possam ser ligadas a uma possível reação química. As boas notícias, se há boas notícias, é que tem estado muito frio e tem chovido desde a explosão. As autoridades dizem que a chuva impediu a propagação do gás emitido depois da explosão. Eles acreditam que já não há qualquer ameaça de amónia.
No entanto, tal como eu disse antes, eles estão a ser muito cautelosos. Uma fábrica de fertilizantes explodiu, portanto, eles não sabem se há outros químicos tóxicos na área e é por isso que nos estão a manter afastados. Mas agora eles acreditam que a ameaça séria acabou.