Última hora

Última hora

Um emprego de sonho nos dias que correm

Em leitura:

Um emprego de sonho nos dias que correm

Tamanho do texto Aa Aa

Terminados os estudos superiores, o início da vida profissional pode ser um percurso angustiante. Na maioria dos países europeus, a taxa de desemprego entre os jovens é galopante. O diploma não garante por si só a ascensão profissional. E muitos jovens não sabem como reverter a espiral descendente.

No atual contexto de crise económica, como é que um jovem constrói a carreira com que sempre sonhou? A pergunta ecoa entre os milhares de estudantes do Trinity College, em Dublin. Na Irlanda, o desemprego jovem ronda os 30%. Sean Gannon, do Serviço de Aconselhamento Profissional, considera que “é essencial ter uma noção muito clara sobre o seu emprego de sonho e quais as competências que ele requer. Em segundo lugar, é importante ter em conta o papel das redes sociais no processo de procura de emprego, e as possibilidades oferecidas pelo Twitter, pelo Linkedin, entre outros sites, no que diz respeito à realização do nosso projeto profissional.”

Ronan Kellly tem 24 anos. Tirou um mestrado na área da gestão e do empreendedorismo, e procura ativamente o emprego ideal. “Andar à procura de emprego, o dia todo, é terrível, é duro, não tem piada nenhuma. A maior parte das empresas nem sequer nos diz porque é que não fomos escolhidos”, sublinha Ronan.

As entrevistas de emprego são a prova de fogo para um jovem candidato. Afinal o que procuram as empresas? Sean Gannon revela o seguinte: “quando falamos com os empregadores, constatamos que eles não se centram na formação, mas na atitude. Procuram pessoas que estejam sempre a aprender e que, quando chegam a uma empresa, apliquem as suas competências no trabalho, mantendo a disponibilidade para receber mais formação, para evoluírem.”

Mags Foran tem 24 anos e é licenciada em Marketing. Como milhares de jovens irlandeses, está convencida de que é lá fora que vai encontrar o emprego de sonho. “Neste momento, estou a centrar a minha procura em Londres, porque acredito que lá há mais oportunidades, as agências de recrutamento dão-nos mais ajudas para podermos iniciar a carreira que pretendemos”, afirma Mags.

Para conseguir o emprego com que sempre sonhou, Mags tem feito tudo o que pode para melhorar o currículo. Candidatou-se a um estágio profissional em Inglaterra através do programa europeu Leonardo da Vinci. A experiência permitiu-lhe adquirir competências na área do empreendedorismo e da comunicação.

Segundo a empresa irlandesa responsável pela organização dos estágios europeus, há cada vez mais jovens à procura de programas de mobilidade internacional. E os empregadores aprovam, como explica Karen Henry: “as pessoas que já trabalharam no estrangeiro desenvolvem a capacidade de se relacionar com pessoas de outras culturas, noutras línguas. Mesmo se for em inglês, aprofundam-se competências em termos de comunicação internacional. Isso é algo que se adquire quando se faz um estágio no estrangeiro.”

Conseguir o emprego de sonho pode ser uma experiência cansativa e solitária. Ronan Kelly adoptou uma estratégia para lidar com o desafio: “é preciso pedir ajuda. O pior que se pode fazer é ficar sentado a culpabilizar-se por não conseguir arranjar emprego e deixar que isso se torne num problema pessoal. É preciso falar com as pessoas, perguntar como conseguir trabalho em determinada área. Muitos empregos só são anunciados a nível interno. Até podemos ser a pessoa certa, mas a empresa não te conhece. Por isso se não perguntares, nunca vais saber…”