Última hora

Última hora

Carla Del Ponte sobre a Síria: "Não há paz sem justiça"

Em leitura:

Carla Del Ponte sobre a Síria: "Não há paz sem justiça"

Tamanho do texto Aa Aa

Carla Del Ponte, membro da Comissão de Inquérito das Nações Unidas para a Síria, foi a convidada destes ITalk. A antiga presidente do Tribunal Penal Internacional para a Ex-Jugoslávia fala do uso de armas químicas, referido no quinto relatório da Comissão de Inquérito sobre a Síria; da população, vítima desta guerra civil que dura há mais de dois anos; mas também da esperança na paz.

No que toca às armas químicas, embora aguarde o resultado final do inquérito, o qual avançaria mais depressa, se a ONU tivesse acesso ao terreno, Carla Del Ponte garante: “Identificámos quatro locais onde as armas químicas estão a ser utilizadas. A comissão pôde estabelecer que ambas as partes usaram armas químicas.”

Carla Del Ponte afirma também: “Os crimes – crimes de guerra e crimes contra a humanidade – não param de aumentar. São cometidos muitos mais crimes. Há muito mais brutalidade. E, tal como já tínhamos referido nos outros relatórios, os crimes são cometidos por ambas as partes.”

Com dezenas de milhares de mortes e 19 milhões de sírios deslocados ou refugiados no estrangeiro, Carla Del Ponte continua a esperar que “muito, muito em breve, seja possível alcançar a paz.” Para tal, tem esperança na conferência de paz de Genebra, e “total confiança na Rússia e nos Estados Unidos, que são os dois países organizadores”.

Por último, Carla Del Ponte lamenta que o Conselho de Segurança da ONU não seja favorável a sentar o regime de Bashar Al-Assad no banco dos réus do TPI. E propõe outras soluções: “Terá de ser a justiça nacional ou um tribunal ‘ad hoc’.” A importante é que justiça seja feita porque, como diz saber por experiência própria, “não há paz sem justiça.”