Última hora

Última hora

Rússia pode ajudar Assad a manter-se no poder

Em leitura:

Rússia pode ajudar Assad a manter-se no poder

Tamanho do texto Aa Aa

A Moscovo, vindos de Damasco, 59 adultos e 30 crianças. A Rússia está a evacuar os civis da Síria antes de eventuais ataques dos aliados. É um sinal de que, apesar da oposição a uma intervenção militar e aos esforços para a impedir, Moscovo pode ter perdido a partida.

Na segunda-feira, o chefe da diplomacia reiterava a posição do país e não escondia o descontentamento com os Estados Unidos e seus aliados: “Anunciaram oficialmente em Washington, Londres e Paris que têm informações e provas irrefutáveis da culpa das autoridades sírias. Não podem apresentar provas, mas insistem em dizer que a linha vermelha foi cruzada e não podem esperar mais tempo”, disse Serguei Lavrov.

Até agora, nada mudou a posição de Moscovo, que há vários meses resiste para preservar o aliado sírio de uma intervenção e privilegiar a solução política. Para a Rússia, uma intervenção sem a luz verde da ONU é uma violação do direito internacional.

Os vetos constantes de Moscovo, no Conselho de Segurança, são vistos como um bloqueio pelas outras potências e foram contrariados em várias situações, nomeadamente no Kosovo e no Iraque.

Já em relação à Líbia, Moscovo absteve-se, mas a forma como a resolução foi utilizada deixou um gosto amargo na boca dos russos.

Neste jogo, Moscovo apaga, cada vez mais, a imagem de uma potência forte face à Europa e aos Estados Unidos. Mas a inflexibilidade é também uma forma de afirmar as posições.

As afinidades entre a Rússia e a Síria vêm do tempo da Guerra Fria, quando a Síria era um aliado poderoso da diplomacia soviética na região.

Esta amizade continua a ter uma grande importância para as trocas comerciais. Várias empresas russas estão presentes em Damasco. Em jogo está, naturalmente, o petróleo. Mas Damasco é também um cliente assíduo das armas russas, nomeadamente da defesa antimíssil.

O porto de Tartous é a peça fulcral da cooperação militar entre Moscovo e Damasco. A parceria estratégica russo-síria implicou o desenvolvimento de várias estruturas. Este ponto é o único acesso da Rússia ao Mediterrâneo. É também aqui que desembarcam as armas russas para a Síria. É algo que Moscovo não quer perder.

Os militares americanos dizem que estão prontos a atacar a Síria e estão apenas à espera da ordem do presidente Obama. Ao mesmo tempo, alguns líderes do Médio Oriente viram-se para Moscovo. É o caso do chefe da diplomacia libanesa, Adnan Mansour, que diz que a Rússia tem várias opções para parar uma operação militar na Síria. É assim, em Moscovo, desde que a situação começou.

Sobre isto, a euronews falou com Vyacheslav Matouzov, antigo diplomata na região, atualmente presidente do grupo de amizade e cooperação com os países árabes.

Andrei Velkevitch, euronews:
Se a operação militar começa, qual pode ser a reação de Moscovo?

Vyacheslav Matouzov:
Não dirigimos o Estado americano nem as Forças Armadas do país. Seria uma decisão puramente americana. O que a Rússia pode fazer é dar assistência ao exército regular sírio.

Os ataques previstos a partir dos quatro navios próximos da costa síria e das bases na Jordânia e na Turquia podem danificar a infraestrutura militar ou civil, mas não vão resolver o problema, não vão afastar o regime e o presidente Bashar el-Assad vai continuar em funções.

Mesmo hoje, vários membros da oposição síria dizem que, em caso de agressão contra o país, apesar de todo o ódio que têm a Bashar el-Assad, levantam-se em defesa do regime. A oposição síria vai estar dividida.

euronews:
Se, como diz, é impossível parar os ataques, o que tem a Rússia a perder, em termos geopolíticos?

Matouzov:
Tem pouco a perder. É possível que a propaganda se aproveite e diga que a Rússia é um país fraco e não sabe defender os aliados no Médio Oriente. Penso que para os americanos vai haver mais consequências negativas.

Se o regime atual e o sistema político atual se mantiverem, os americanos terão falhado todos os objetivos, porque o objetivo deles é mudar o equilíbrio interno, colocar mais peso nos grupos armados da oposição. Penso que nunca vão atingir esse objetivo.

euronews:
A Rússia, que pode ela ganhar, se houver uma operação militar por parte dos americanos?

Matouzov:
Se o regime sírio se aguentar e a Rússia for razoável, ao não entrar em confronto direto com a Grã-Bretanha, França e Estados Unidos, penso que o prestígio e a estima dos países árabes para com a Rússia só pode aumentar.

A Rússia pode dar assistência técnica ao governo sírio, ajudá-lo a manter-se de pé. Penso que muito vai depender do contexto mediático, de como esta operação e suas consequências vão ser descritas pelos media.

Espero que a Rússia tenha meios suficientes para explicar a abordagem desta crise.