Última hora

Última hora

Obama reparte em força e com firmeza

Em leitura:

Obama reparte em força e com firmeza

Tamanho do texto Aa Aa

Foi um presidente voluntarioso e combativo que se dirigiu ao Congresso para fazer o discurso anual do Estado da Nação.
Toda a Câmara de Representantes e um terço do Senado vão ser renovados no próximo mês de novembro. Barack Obama deu um ângulo de ataque aos democratas: reduzir as desigualdades.

“A América não pára – e nem eu. Então, onde e quando eu possa dar passos sem legislação para oferecer mais oportunidades a mais famílias norte-americanas, é o que eu vou fazer.”

Com um taxa de desemprego de 6,7%, e um crescimento de 4,1%, o salário mínimo é de cerca de 7, 25 dólares/hora e Obama quer que todos os empregados federais ganhem, no mínimo, 10,10 dólares, ou mesmo um aumento de 40% para alguns funcionários públicos.

“Nas próximas semanas, vou emitir uma ordem a exigir aos empreiteiros federais que paguem aos funcionários financiados pelo governo federal um salário justo de, pelo menos 10,10 dólares (pouco mais de 7 euros) por hora – porque se uma pessoa cozinha para os soldados ou lava os seus pratos, não pode viver na pobreza. “

Em política externa, o presidente quer honrar as promesas esquecidas, tal como o encerramento da prisão de Guantanamo:

“Com o fim da guerra no Afeganistão, este deve ser o ano em que o Congresso termina com as as restrições às transferências dos presos e ao fecho da prisão na baía de Guantanamo. Lutamos contra o terroirsmo não apenas com os serviços de inteligência e a ação militar, mas porque estes são os ideias consagrados na nossa Constituição.”

Obama mostrou-se determinado na advertência ao Congresso, ameaçando com o veto presidencial qualquer tentativa para impedir o bom desenvolvimento das negociações com Teerão.

“O Irão começou a eliminar os stocks de urânio enriquecido com mais altos níveis. Não está a instalar centrífugadoras avançadas. Vão fazer-se inspeções sem precedentes para ajudar o mundo a verificar, diariamente, que o Irão não está a construir uma bomba. (…) Nós estamos comprometidos nas negociações para ver se podemos alcançar o objetivo pacifico que todos partilhamos: evitar que o Irão obtenha uma arma nuclear “(…) Se o Congresso apresentar um projeto de lei com novas sanções, ameaça destruir este processo, e eu vou vetá-lo. “

Na Rússia, como no resto do mundo, o discurso anual do presidente americano sobre o Estado da União, na segunda-feira à noite, foi seguido por muitas pessoas. Barack Obama falou do conflito interno que está a afetar a Ucrânia, falou do Irão e da crise na Síria.

Foi prudente quanto à Síria e à Ucrânia: não aceita uma oposição que não renegue a cartilha terrorista e defende que o povo ucraniano tem direito à liberdade de expressão.