Última hora

Última hora

The Corner: o Mundial entra em jogo

Em leitura:

The Corner: o Mundial entra em jogo

Tamanho do texto Aa Aa

Bem-vindos ao “The Corner – Especial Campeonato do Mundo 2014, a poucas horas do início da vigésima edição do mundial.

São muitas as perguntas no ar.
Quem vai brilhar no Brasil? Porque é que a Copa do Mundo é tão popular no mundo inteiro?
Mas para começar, vamos falar do jogo inaugural entre o Brasil e a Croácia.

O Brasil enfrenta a Croácia na abertura deste Mundial. As duas equipas são do Grupo A, que também conta com Camarões e México

A seleção brasileira vai agora mostrar os frutos do trabalho do treinador Luiz Felipe Scolari e do coordenador técnico Carlos Alberto Parreira.

O estádio do Itaquerão, palco do pontapé inicial do Campeonato do Mundo, é também aquele que mais dores de cabeça deu à FIFA, pois foi onde se verificaram mais atrasos, entre os 12 estádios que vão receber as partidas da Copa.

A Arena Corinthians, que vai acolher 61 mil e 600 pessoas, não pôde ser testada com plena capacidade.

A Croácia não é a favorita, mas pode surpreender, principalmente se fizer o primeiro golo.

A Croácia já participou de três Mundiais. Na primeira, em 1998, a equipa conseguiu chegar às semifinais.

As duas participações seguintes não foram tão bem sucedidas. Tanto em 2002 como em 2006 os croatas fizeram as malas no termo da fase de grupos. Na Alemanha, em 2006, foram derrotados pelo Brasil, com um golo de Kaká de fora da área.

Há porém uma coisa que deve preocupar os croatas: A tartaruga “Cabeção”, criada pelo Projeto Tamar para fazer previsões dos jogos do Brasil na Copa, deu já a vitória ao time canarinho.

As nossas previsões

Vejamos quais são as previsões da redação desportiva da euronews para o resultado do jogo inaugural.

O palpite da euronews dá a vitória aos futebolistas da casa, com a derrota dos croatas por 2 a 1.
E qual é a sua opinião? Envie-nos o seu palpite pelo Twitter ou Facebook, usando o hashtag #TheCornerScores


Cinco estrelas

Durante o Campeonato do Mundo, vamos admirar uma constelação de estrelas que vai querer brilhar.
Eis cinco nomes que por certo vão prender todas as atenções:

Cristiano Ronaldo está determinado a captar um lugar de destaque, se quiser garantir a sua segunda bola de ouro consecutiva, depois de ter ganho a Taça do Rei e a Liga dos Campeões.

Já Leo Messi, depois de uma temporada sem protagonismo, vai ter de aproveitar o Mundial para fazer esquecer as deceções e roubar a liderança a Ronaldo.

Outro que tem muito trabalho pela frente é Neymar, o sucessor de Pelé. Depois de uma temporada fraca da sua equipa, agora vai estar sob a pressão de jogar em casa.

Com 14 golos marcados, a Miroslav Klose, faltam-lhe duas marcações para ultrapassar Ronaldo e entrar na história do futebol.

E não esqueçamos o autor da cabeçada que salvou o Real Madrid na final da Liga dos Campeões – o defesa central Sérgio Ramos sonha por certo com a Bola de Ouro.

A febre Mundial

O Campeonato do Mundo de futebol acende sempre a mesma paixão em todas as nações, mesmo quando as suas equipas nacionais não participam – no mundo inteiro, a multidão de adeptos revela a sua capacidade inventiva quando se trata de festejar o maior evento futebolístico.

Uma publicidade criticada por grupos cristãos – uma estátua insuflável do Cristo do Corcovado, com uma camisola do Mundial e a inscrição “Manter a fé”, sobrevoou Melbourne, em apoio à seleção australiana.

O Bangladesh não envia jogadores ao Brasil, mas assim a escolha é mais fácil – cada qual adere à camisola de que mais gosta. Camisolas ao gosto de cada um, com as cores do Brasil, Alemanha, Argentina ou Espanha.

Depois do desaparecimento do famoso polvo adivinhador – Paul, na Tailândia são os elefantes que dão palpites a quem quer conhecer os resultados. Tão lentos como o polvo, mas mais pesados.

Isto, enquanto no Japão o protagonismo pertence às focas. Aqui o trabalho da foca é empurrar a bola direitinha à rede.

Na Coreia do Sul estas coisas decidem-se na água – futebol submarino – uma versão igualmente arrebatadora.

Finalmente a Argentina, onde a veneração pela camisola azul celeste que já foi vestida por Maradona e agora por Leo Messi chegou aos animais de estimação.

Chegamos ao fim da nossa edição diária do “The Corner Especial Campeonato do Mundo”. Continue connosco.