Última hora

Última hora

Cinema marroquino: jovens talentos e salas abandonadas

Em leitura:

Cinema marroquino: jovens talentos e salas abandonadas

Tamanho do texto Aa Aa

Uma vez por ano, Marraquexe organiza um grande festival internacional de cinema. O evento é uma oportunidade para promover novos talentos. Estudantes

Uma vez por ano, Marraquexe organiza um grande festival internacional de cinema. O evento é uma oportunidade para promover novos talentos. Estudantes de todo o país são convidados a apresentarem filmes e a participarem numa competição.

“Laya” é um dos filmes estudantis selecionados em 2014. A película realizada por Ahmed Messoudi gira em torno de um casal de idosos. Marido e mulher vivem juntos há 38 anos.

“Para mim, o filme é uma história de amor entre um casal de idosos nos últimos anos de vida. Penso que o filme coloca a questão do amor em geral, porque, hoje em dia, o amor já não é o que era. A nossa geração está habituada a deitar fora tudo o que não funciona, enquanto a geração deles tenta reparar as coisas. É um tema interessante a explorar, o amor nos tempos antigos”, sublinhou Ahmed Messoudi, jovem realizador marroquino.

“O meu filme retrata um artista que é um génio do grafismo e da pintura, que sabe desenhar e que depois de ter obtido o diploma, tenta encontrar um tema de estudo a aprofundar. Nesse momento, ele descobre que é daltónico”, contou Issam Doukhou, estudante na Faculdade de Ouarzazate e autor de “Dalto”.

“Pude realizar o meu primeiro filme com a minha universidade e com os meus próprios meios. É uma grande oportunidade para mim poder estar neste festival”, acrescentou Doukhou.

Em “Shoes”, a realizadora Meryem Benheddi conta a história de duas crianças pobres que partilham o mesmo par de sapatos.

“Decidi escrever sobre duas crianças que vivem com o irmão mais velho depois da morte dos pais. A família está separada. Mas o amor volta a reuni-la. No interior da trama há ainda outra história. Uma rapariga perde os sapatos e a irmã decide partilha o seu calçado com ela para que ela possa ir à escola”, contou a realizadora.

Para os três jovens cineastas marroquinos, o Festival Internacional de Cinema de Marraquexe é, sem dúvida, uma grande oportunidade de carreira. Resta esperar que o estado de abandono em que se encontram muitas salas de cinema em Marrocos não impeça o público de ver os filmes nacionais.