Última hora

Última hora

Conselho de Segurança rejeita resolução de retirada israelita de territórios palestinianos

O Conselho de Segurança das Nações Unidas rejeitou um projeto de resolução para Israel se retirar dos territórios palestinianos até 2017. Na votação

Em leitura:

Conselho de Segurança rejeita resolução de retirada israelita de territórios palestinianos

Tamanho do texto Aa Aa

O Conselho de Segurança das Nações Unidas rejeitou um projeto de resolução para Israel se retirar dos territórios palestinianos até 2017.

Na votação da proposta preparada por palestinianos e apresentada pela Jordânia, oito membros votaram a favor, dois contra, a Austrália e os Estados Unidos, e cinco abstiveram-se.

Eram precisos pelo menos nove votos a favor para ser aprovada.

A embaixadora norte-americana para a ONU, Samantha Power, defendeu o voto contra do seu país
“Esta resolução abre caminho para mais divisão e não para compromisso. Pode muito bem servir para provocar a confrontação que pretende resolver. Durante décadas, os Estados Unidos trabalharam para tentar alcançar uma solução sólida para o conflito israelo-palestiniano e vamos continuar empenhados na luta pela paz, que tanto palestinianos como israelitas merecem, dois Estados para dois povos com uma palestina independente e viável lado a lado com um estado de Israel democrático e judaico”, afirmou.

Os palestinianos reagiram pela voz do seu embaixador nas Nações Unidas, Riyad Mansour.

“O resultado da votação de hoje demonstra que o conselho de segurança, como um todo, não está, claramente, com vontade de carregar o fardo das suas responsabilidades que, de certa forma, permitiriam uma resolução detalhada que nos abriria as portas a uma solução justa e duradoura baseada na lei internacional”, declarou.

Mesmo que a resolução tivesse sido aprovada, os Estados Unidos poderiam ter usado o poder de veto para a proposta morrer.

A resolução previa também negociações com base nas linhas territoriais anteriores a 1967, quando Israel conquistou a Cisjordânia, Jerusalém leste e a Faixa de Gaza na chamada Guerra dos Seis Dias.