Última hora

Última hora

França: Charb foi a enterrar ao som do jazz

Familiares, amigos e fãs do cartonista Stephane Charbonnier reuniram-se no subúrbio parisiense de Pontoise, na sexta-feira, para um último adeus

Em leitura:

França: Charb foi a enterrar ao som do jazz

Tamanho do texto Aa Aa

Familiares, amigos e fãs do cartonista Stephane Charbonnier reuniram-se no subúrbio parisiense de Pontoise, na sexta-feira, para um último adeus.

Nove dias depois do ataque mortífero contra o semanário satírico, foi ao som da Internacional que o caixão foi levado para o recinto de feiras de Pontoise . Renald Luzier, conhecido como Luz, um companheiro do cartonista de Charbonnier, prestou homenagem ao colega.

“ Os terroristas queriam derrubar-nos mas ergueram-nos. Queriam assustar-nos mas levaram as pessoas de França para a rua para defenderem os valores da República.”

O ministro da Educação francês Najat Vallaud-Belkacem, ministra da Justiça, Christiane Taubira e ministro da Cultura, Fleur Pellerin estiveram na linha da frente.

“Eu sou Charlie, “Provem! Levem lápis, papel, um scan, um computador e exprimam-se. E eu espero, que milhares Charlie Hebdo possam surgir nos liceusm, faculdades, impressoras do mundo inteiro.

Familiares, amigos e fãs Stephane Charbonnier reuniram-se no subúrbio parisiense de Pontoise, na sexta-feira para dar-lhe uma despedida final.