Última hora

Última hora

Jyrki Katainen: "Trabalho muito para o Plano de Investimento da UE porque pode fazer a diferença"

A Grécia continua a dominar a agenda quando se fala de economia europeia. Mas falar de economia é muito mais do que isso. É também discutir

Em leitura:

Jyrki Katainen: "Trabalho muito para o Plano de Investimento da UE porque pode fazer a diferença"

Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia continua a dominar a agenda quando se fala de economia europeia. Mas falar de economia é muito mais do que isso. É também discutir crescimento e emprego.

Para analisar estas e outras matérias estivemos à conversa com Jyrki Katainen, o Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade.

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Atualmente de que forma é que a Europa é flexível em termos de políticas. A Grécia é um exemplo nesta matéria?

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “Só existem alguns países que podem dar-se ao luxo de estimular a respetiva economia. Mas o melhor estímulo que todos os Estados-membros podem ter neste momento é o das reformas, que realmente mudam ou reformam o país de uma forma que o tornam mais flexível, quando se fala do mercado laboral ou do ambiente fácil de negócios que existe. Por isso, a flexibilidade e os estímulos significam que eles têm de estar prontos para reformar as nossas sociedades e muitos governos estão a fazê-lo.”

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Diria que a Grécia não está a fazê-lo? Ou que talvez a Europa seja muito lenta a reagir e que os encontros do Eurogrupo, da troika acabam sem qualquer direção concreta?

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “A Grécia conseguiu muitas coisas boas. Ao olhar para o superavit primário – é um dos maiores na Europa – o crescimento económico também é muito forte. Mas agora o cenário que se coloca é o pós-eleições. O essencial em economia não mudou e o Eurogrupo deu o primeiro passo esta semana. Continuarão a tentar encontrar uma solução aceitável para todos os 19 Estados-membros. Por isso temos de aceitar a verdade de que a economia ao redor da Grécia não mudou ainda que o Governo tenha mudado.”

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Estamos a puxar muito a corda à Grécia. Será que vamos assistir a uma situação em que investimos o nosso tempo e os objetivos perdem-se?

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “Quando se trata da tomada de decisão europeia estamos a ser bastante rápidos. Há apenas alguns meses atrás dissemos que estabeleceríamos um novo triângulo de investimento, com o fundo de “risco”, o Mercado Único e os projetos transparentes. Durante esta primavera, muitas das peças do puzzle estarão no devido lugar. Depois, quando olhamos para as reformas estruturais, vamos perceber que demoram mais tempo do que o esperado, porque as reformas são muito profundas e não são fáceis do ponto de vista político. Além disso levam tempo.”

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Na sua opinião o que é um bom compromisso para a Grécia? Porque seguindo o caminho do Syriza talvez outros países se possam preocupar com a respetiva política interna.

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “A Grécia foi ajudada por outros contribuintes europeus. E está claro que têm de continuar a fazer reformas amigas do crescimento. Nesta fase ainda é um pouco cedo para dizer qual será o resultado, mas a Comissão Europeia está empenhada em ajudar a Grécia. Temos de assegurar que as pessoas podem ter acesso a medicamentos e tratamentos de saúde se for necessário. Por isso estamos do lado do povo grego. Existem 19 Estados-membros, 19 eleitorados, 19 parlamentos e governos que têm de aceitar realizar um programa de ajuda e claro, o mais importante é que o Governo grego esteja disposto a cooperar.”

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Se o plano de investimento se baseia em obrigações relacionadas com o crescimento, porque é que a Grécia não pode ao mesmo tempo propor este tipo de obrigações?

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “As autoridades gregas têm de assegurar-se que a confiança no país vai aumentar. Significa que terão de mostrar coragem para fazer reformas que promovam o crescimento. Também terão de ter em atenção a política fiscal, de outra forma ninguém investirá na Grécia se crescer a incerteza, como aconteceu nas últimas semanas. Mas por exemplo, um novo fundo poderia financiar projetos, projetos do setor privado na Grécia. As coisas também estão pensadas de maneira a que se possam correr mais riscos, mas o clima e a confiança devem estar num bom nível, caso contrário ninguém quererá investir na Grécia.”

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Fala-se no Plano de Investimento, mas qual é tipo de reação que recebe da comunidade de investidores e até que ponto é realista?

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “O feedback tem sido bastante encorajador. Primeiro podemos entregar o Plano muito rápido, por isso tudo tem de estar afinado até ao final de junho. Poderemos aumentar empréstimos a Pequenas e Médias Empresas inclusive antes dessa data. Ainda não conhecemos os projetos. Depende do setor privado porque o novo fundo vai financiar apenas investimento privado e parcerias público-privadas. Colocaram-se algumas questões como por exemplo porque é que se estão a usar números tão altos quando se fala de empréstimo, mas baseia-se no histórico de empréstimos do Banco Europeu de Investimento (BEI). Na verdade os 315 mil milhões de euros são um pouco mais baixos do que um empréstimo normal do BEI. Por isso, ninguém pode precisar, mas ainda assim é a melhor informação que temos neste momento. Claro que estamos interessados em recursos exteriores à Europa, e quando tudo estiver pronto, ficarei feliz em visitar diferentes partes do mundo.”

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Acredita que o programa de alívio financeiro do Banco Central Europeu torna mais fácil vender o Plano de Investimento?

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “Foi útil e estabilizou a situação. Olhando para a política monetária, se adicionarmos o euro barato e o preço barato do petróleo cria-se um tremendo estímulo para a economia da zona euro.”

Maithreyi Seetharaman, Euronews: Para finalizar, o que lhe faz passar a noite em claro? Deflação, a Grécia, a falta de crescimento, o plano de investimento?

Jyrki Katainen, Vice-Presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade: “Diria o Plano de Investimento porque há muito trabalho para fazer. Não estou preocupado com a espiral deflacionária. Estou a trabalhar muito para o Plano de Investimento porque pode fazer a diferença. Não vai mudar o mundo inteiro, mas de qualquer forma vai ajudar os investidores privados a investir na Europa, em projetos de criação de empregos em toda a Europa.”