Última hora

Última hora

Está no ar o primeiro voo à Volta do mundo sem recurso a combustível

Projeto suíço Solar Impulse 2 descolcou esta segunda-feira de Abu dhabi, onde espera aterrar dentro de cinco meses. A primeira escala é em Omã

Em leitura:

Está no ar o primeiro voo à Volta do mundo sem recurso a combustível

Tamanho do texto Aa Aa

Descolou de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, o avião Solar Impulse 2 (SI2) rumo a… Abu Dhabi. O voo pretende ser o primeiro de um avião à volta do mundo sem recurso a combustível. O aparelho é movido a energia solar, pretende promover o uso de energias limpas e tem pela frente uma aventura de cinco meses com 12 escalas previstas, a primeira em Mascate, capital de Omã, 10 horas após a descolagem do aeroporto Al-Bateen, em Abu Dhabi.

Aos comandos do SI2, nesta primeira etapa, está o suíço André Borschberg, que em Mascate cederá o único lugar do cockpit do avião ao compatriota Bertrand Piccard. Os dois são os responsáveis por este projeto que culmina 13 anos de investigação e pesquisa aeronáutica. “Acho que estamos ambos em estado de excitação.É especial. Mas não é só excitação. É também concentração e simples felicidade”, afirmou Borschberg antes da partida.

Depois de uma primeira descolagem prevista para sábado ter sido adiada devido a fortes ventos na região, eram 07 horas e 12 minutos da manhã desta segunda-feira, em Abu Dhabi (03h12, em Lisboa), quando o SI2 levantou voo. À distância, o voo está a ser controlada desde o Principado do Mónaco, onde esteve presente o Príncipe Alberto, para assistir ao início desta viagem em muito parecida àquela ficcionada pelo escritor Júlio Verne para Willy Fog.

O nobre inglês aceitou uma aposta de dar a volta ao mundo em 80 dias e uma boa parte da aventura é passada a bordo de um balão de ar quente. Aqui, não há qualquer tipo de combustão. É apenas o recurso a energia solar.

O SI2 é alimentado por mais de 17 mil células solares embutidas nas asas, que medem 72 metros. Os “membros alados” do SI2 são mais amplas do que as de um Boeing 747 e quase tão longas quanto as de um Airbus 380. O aparelho foi concebido em fibra de carbono e, por isso, pesa cerca 2,4 toneladas, pouco mais de um por cento do que os dois referidos aparelhos da aviação comercial.

A viagem irá prolongar-se na totalidade por cerca de 35 mil quilómetros, com escalas previstas na Índia, em Birmânia, na China e nos Estados Unidos, incluindo, claro, o cruzamento intercontinental do Pacífico e do Atlântico, em etapas previstas de cerca de seis dias ininterruptos sem troca de pilotos.

Toda a viagem do solar Impulse 2 pode ser seguida pela internet, em tempo real, através do endereço solarimpulse.com.

Saber mais sobre este projeto

O primeiro voo do projeto Solar Impulse

A primeira viagem intercontinental

Dois meses a sobrevoar os Estados Unidos sem combustível

Primeiro voo do Solar Impulse 2