Última hora

Última hora

Nato-Rússia: Guerra Fria, versão século XXI

A tensão entre a Rússia e os membros da Aliança Atlântica continua a crescer. A Finlândia pondera pedir a adesão à NATO.

Em leitura:

Nato-Rússia: Guerra Fria, versão século XXI

Tamanho do texto Aa Aa

Estamos em Narva, na Estónia, a poucos quilómetros da fronteira russa. Na parada para celebrar os 25 anos da independência do país, dois blindados norte-americanos Stryker desfilam ao lado das forças armadas da Estónia. No desfile participaram também cerca de cem soldados da NATO. Britânicos, holandeses, espanhóis ou ainda das vizinhas Letónia e Lituânia.

Point of view

É importante que, na próxima legislatura, não se exclua a possiblidade de (a Finlândia) pedir a adesão à NATO. (...) É importante, do ponto de vista da segurança e da política, que o próximo governo deixe a opção em aberto

A crise ucraniana provocou uma degradação nas relações entre a Rússia e os ocidentais. Moscovo vai fazendo demonstrações de força, com exercícios militares como o feito perto da fronteira ucraniana, em fevereiro. Nos últimos dias, foram feitos vários com caças-bombardeiros, mais a norte, no mar de Barents. Considerado estratégico por Moscovo, banha a Noruega, país membro da NATO.

Os bombardeiros russos chegaram a aproximar-se do espaço aéreo do Reino Unido. Um Tupolev da Força Aérea Russa teve de ser escoltado por um Typhoon da Royal Air Force. Aconteceu no dia 31 de outubro.

O artigo 5 do Tratado do Atlântico Norte diz que, no caso de ataque contra qualquer país membro da aliança, todos os 28 membros são obrigados a ir em defesa.

Esta guerra fria, versão século XXI começa a preocupar também os países neutros, como é o caso da Finlândia, que partilha 1300 quilómetros de fronteira com a Rússia: “É importante que na próxima legislatura não se exclua a possibilidade de pedir a adesão à NATO. Tal como o atual governo excluiu essa possibilidade, é importante, do ponto de vista da segurança e da política, que o próximo governo deixe a opção em aberto”, disse o primeiro-ministro finlandês Alexander Stubb.

No início de fevereiro, a NATO decidiu reforçar o flanco oriental, ao criar uma força de intervenção rápida com 5000 efetivos e seis postos de comando na Europa de leste. No Mar Negro, face à Crimeia anexada por Putin há um ano, a NATO faz vários exercícios, também como resposta à atividade militar russa na região.