Última hora

Última hora

Autoridades do Quénia lançam caça aos responsáveis pelo massacre da Universidade de Garissa

Em leitura:

Autoridades do Quénia lançam caça aos responsáveis pelo massacre da Universidade de Garissa

Autoridades do Quénia lançam caça aos responsáveis pelo massacre da Universidade de Garissa
Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades quenianas começaram uma verdadeira caça aos responsáveis pelo ataque à Universidade de Garissa.
Mais que os quatro militantes da Al-Shabab que executaram o massacre, e que foram mortos durante a operação de resgate, a polícia quer encontrar Mohamed Mohamud, acusado de ser o arquitecto do ataque. E até já foi avançada uma recompensa de quase 200 mil euros para quem o ajudar a capturar. Mohamud foi o reitor de uma escola islâmica, também em Garissa, antes de se juntar a grupos islamistas na Somália e, mais tarde, à própria Al-Shabab.

Este ataque chocou os quenianos. Um morador de Narobi diz que “toda esta situação é muito triste”, não entende “porque a Shabad os quis atacar, são vizinhos e deviam ajudar-se uns aos outros em vez de se atacarem e destruir o ambiente pacífico”. Um outro habitante da cidade lembra que se chegou a um ponto em que “os serviços secretos do país passam a informação à polícia mas a polícia é incapaz de proteger a população como devia. Alguém não está a fazer o trabalho como devia”.

Recorde-se que a Al-Shabab tem lançado vários ataques no Quénia. Um dos mais violentos ocorreu em Setembro de 2013 no centro comercial Westgate, em Nairobi, que fez 67 mortos e 175 feridos.