This content is not available in your region

Putin afirma que a Rússia já ultrapassou o pior e está de novo a crescer

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com Reuters, Lusa, AFP, EFE
Putin afirma que a Rússia já ultrapassou o pior e está de novo a crescer

<p>O Presidente da Rússia passou esta quinta-feira aos concidadãos uma mensagem positiva sobre o estado atual do país. </p> <p>Na já habitual conferência anual “Linha Direta com Vladimir Putin”, em que responde a perguntas endereçadas pelos cidadãos, o líder do Kremlin, de 62 anos, focou-se na economia e minimizou o impacto no país das sanções do ocidente por causa da Ucrânia e da queda do preço do petróleo, sustentando que a Rússia está de novo em sentido ascendente.</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt" align="center"><p>The Russian economy is steadily growing despite <a href="https://twitter.com/hashtag/sanctions?src=hash">#sanctions</a>: <span class="caps">GDP</span> climbed 0.6%, oil output reached record highs, crop yields are good <a href="https://twitter.com/hashtag/Putin?src=hash">#Putin</a></p>— President of Russia (@KremlinRussia_E) <a href="https://twitter.com/KremlinRussia_E/status/588658177526341632">16 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"align="center"><p>Economic recovery may be evident in Russia in less than two years <a href="https://twitter.com/hashtag/Putin?src=hash">#Putin</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/DirectLine?src=hash">#DirectLine</a></p>— President of Russia (@KremlinRussia_E) <a href="https://twitter.com/KremlinRussia_E/status/588659265574989825">16 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p> “O rublo estabilizou e fortaleceu-se”, referiu Putin em várias das suas respostas, citando alguns “especialistas” que terão garantido que “o pior já passou” para a economia da Rússia. A recente valorização da divisa nacional depois da forte quebra do ano passado para mínimos históricos, foi o principal argumento para sustentar que a Rússia, afinal, está bem e a crescer. Os sinais levam Putin a concluir que num prazo de dois anos a economia russa reentrará no verde. <h3>Dificuldades geram oportunidades</h3> <p>O setor empresarial russo tem sido fortemente afetado pelas sanções, externas e internas. O ocidente impôs várias limitações económicas à Rússia, o Kremlin respondeu com a proibição de importação de variados produtos estrangeiros, nomeadamente alimentares. </p> <p>“Já disse aos empresários que é pouco provável o levantamento das sanções porque isto é simplesmente uma questão política. Tem a ver com cooperação estratégica e destina-se à contenção do nosso desenvolvimento por parte de alguns dos nossos parceiros”, alegou Putin, acrescentando que os bloqueios ocidentais “já não estejam relacionados com o conflito da Ucrânia.”</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt" align="center"><p>We will continue to support our agricultural industry using competitive methods to substitute European foods in our market <a href="https://twitter.com/hashtag/Putin?src=hash">#Putin</a></p>— President of Russia (@KremlinRussia_E) <a href="https://twitter.com/KremlinRussia_E/status/588684645904076800">16 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p> Putin ouviu também perguntas de agricultores e empresários. O Presidente procurou tranquiliza-los, mentalizando-os para apostar no próprio desenvolvimento. “Temos de aguentar as sanções, mas podemos aproveitar a atual situação para alcançar novos níveis de desenvolvimento. A substituição das importações pela produção local não seria possível se não fossem estas sanções”, destacou, esperando que as limitações impostas pelo ocidente “ajudem a desenvolver também as indústrias de alta tecnologia.” <h3>Venda de mísseis ao Irão e recusa francesa</h3> <p>O recente acordo de venda de mísseis ao Irão, que tão mal caiu ao ocidente – nomeadamente aos Estados, à União Europeia e, sobretudo, a Israel – foi também abordado. Putin não se mostrou preocupado com o mal-estar alheio.</p> <p>“O fornecimento destes sistemas de misséis S-300 não faz parte da lista de sanções das Nações Unidas. Tínhamos parado este fornecimento em 2010 de forma unilateral. Mas, agora, os avanços no acordo do grupo P5+1 em torno do programa nuclear iraniano são positivos e todos dizem que o acordo está fechado. Por isso, não vemos motivos para manter esta limitação negocial”, revelou.</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"align="center"><p>Delivering S-300 air-defence systems to <a href="https://twitter.com/hashtag/Iran?src=hash">#Iran</a> carry no threat to <a href="https://twitter.com/hashtag/Israel?src=hash">#Israel</a>, they are defence weapons only – the President</p>— President of Russia (@KremlinRussia_E) <a href="https://twitter.com/KremlinRussia_E/status/588686486758895617">16 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p> Sobre a recusa da França em cumprir um acordo de 1,2 mil milhões de euros para fornecer à Russia dois navios Mistral porta-helicópteros, Putin não se mostrou melindrado e entende que a defesa russa não será afetada. Nem sequer mostrou intenção de exigir qualquer indemnização: “Acredito que os líderes franceses, e a França em geral, são boas pessoas e que vão devolver o nosso dinheiro.” <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt" align="center"><p>Putin on the rumours that Russian troops are deployed in <a href="https://twitter.com/hashtag/Ukraine?src=hash">#Ukraine</a>: I want to make this clear, there are no Russian forces in Ukraine</p>— President of Russia (@KremlinRussia_E) <a href="https://twitter.com/KremlinRussia_E/status/588701699537264640">16 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p> Sobre a Ucrânia, garantiu: “Não há tropas russas envolvidas no conflito” e o Kremlin “está a fazer tudo pela aplicação dos acordos de Minsk” no leste ucraniano. Ao mesmo tempo, Putin acusou Kiev de estar a tentar isolar a região de Donbass, ao decidir cortar varias regalias sociais aos residentes desta região controlada pelos separatistas. <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt" align="center"><p>A war between <a href="https://twitter.com/hashtag/Russia?src=hash">#Russia</a> and <a href="https://twitter.com/hashtag/Ukraine?src=hash">#Ukraine</a> is impossible – <a href="https://twitter.com/hashtag/Putin?src=hash">#Putin</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/DirectLine?src=hash">#DirectLine</a></p>— President of Russia (@KremlinRussia_E) <a href="https://twitter.com/KremlinRussia_E/status/588702908071464960">16 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p> Esta foi a 13.a edição de “Linha Direta com Vladimir Putin”. Há um ano, o Presidente russo esteve quase quatro horas a responder aos cidadãos e, em 2013, quase chegou às cinco horas. Um porta-voz do Kremlin garantiu terem sido recebidas quase dois milhões de questões. <p>Apesar do controlo apertad da emissão televisiva, foi notório o desconforto de muitos dos russos interlocutores face à atual situação do país. Até algumas questões dos próprios apresentadores pareceram incomodar o Presidente. Putin passou uma mensagem positiva, a questão é se os recetores a receberam como tal.</p>