Última hora

Última hora

Clandestinos: Renzi quer "intervenção nos territórios"

Mais de 11.000 imigrantes desembarcaram nos últimos seis dias nas costas italianas e gregas, e centenas de outros continuam diariamente a chegar.

Em leitura:

Clandestinos: Renzi quer "intervenção nos territórios"

Tamanho do texto Aa Aa

Um minuto de silêncio no Parlamento italiano pelos mais de 800 migrantes mortos no último domingo, no Mediterrâneo. Esta cerimónia precedeu a intervenção do chefe do Conselho, Mateo Renzi, que convocou os parlamentares para falar da imigração ilegal.

Point of view

<b> Temos de evitar que eles partam através da intervenção nos territórios.

“Quando uma pessoa arrisca a sua própria vida, quando uma pessoa coloca a sua vida em perigo para fugir de uma situação em que as pessoas são decapitadas, não podemos dissuadir estas pessoas através de uma simples declaração de princípios do Alto Representante das Nações Unidas (para os refugiados) no Níger ou no Sudão. Temos de evitar que eles partam através da intervenção nos territórios”.

De acordo com a guarda costeira italiana, mais de 11.000 imigrantes desembarcaram nos últimos seis dias nas costas italianas e gregas, e centenas de outros continuam a chegar.

Desde o início de 2015, 1.600 pessoas morreram no Estreito da Sicília. Confrontada com esta catástrofe, a política é impotente.

A desestabilização do grande Maghreb, após a Primavera Árabe tem largamente contribuído para o aumento da catástrofe humanitária que faz do Mediterrâneo um cemitério.