Última hora

Última hora

Nepal: um milhão de crianças em risco

euronews – Jean-Jacques Simon, é chefe de Comunicação da UNICEF para o Sul da Ásia e está em Katmandu. Há cerca de um milhão de crianças afetadas

Em leitura:

Nepal: um milhão de crianças em risco

Tamanho do texto Aa Aa

euronews – Jean-Jacques Simon, é chefe de Comunicação da UNICEF para o Sul da Ásia e está em Katmandu. Há cerca de um milhão de crianças afetadas significativamente pelo terremoto. Qual é a sua principal preocupação sobre a sua situação?

Simon Jean-Jacques Chefe da Comunicação UNICEF Sul da Ásia – Como disse, há vários milhares de crianças afetadas direta ou indiretamente. Os que perderam as casas, os entes queridos e ficaram na rua do dia para a noite, foram afetados diretamente. Há muitos campos improvisados ​na capital e no resto do país. Nesta situação, é necessária assistência imediata, água, medicamentos e nutrição para os mais pequenos.

euronews – Então, como disse, há falta de tudo. Pensa que a ajuda humanitária internacional leva muito tempo a chegar?

Simon Jean-Jacques – Infelizmente, leva o tempo necessário. Hoje à noite chega um avião fretado pela UNICEF, com bastante material, principalmente material clínico, vacinas, tendas, etc. Já tínhamos planeado uma carga para 5.000 famílias na região de Katmandu e arredores, em três regiões específicas, mas é preciso muito mais, porque as coisas que não são para um dia, mas para vários dias. As pessoas ficaram sem teto de repente e também é necessário pensar numa solução que não vai aparecer de um dia para o outro.

euronews – Está em Katmandu, onde se fala de um verdadeiro pesadelo. Pode descrever a situação em torno de si? O que sentem as pessoas?

Simon Jean-Jacques – É uma capital habituada a um enorme tráfego. E não há tráfego, de momento. As pessoas estão nos seus bairros, entreajudam-se, porque muitos perderam as casas, outros perderam mesmo as famílias. Além disso, não há eletricidade, o acesso à água potável é difícil, as lojas estão fechadas e ainda há réplicas.
Devemos esperar o quê?
Não sabemos, há muita preocupação, muita apreensão quanto ao futuro. Pela nossa parte, agências das Nações Unidas e outros parceiros, temos de assegurar uma boa organização, uma boa preparação para distribuir ajuda muito rapidamente a toda essas pessoas, nomeadamente às crianças nepalesas.