Última hora

Última hora

Pilotos da TAP avançam com paralisação de dez dias

Em leitura:

Pilotos da TAP avançam com paralisação de dez dias

Pilotos da TAP avançam com paralisação de dez dias
Tamanho do texto Aa Aa

Falharam as negociações da TAP com os pilotos, que avançam esta sexta-feira para uma paralisação de dez dias.

Os pilotos justificam a greve acusando o Governo de não cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, de 1999, que lhes dava direito a uma participação no capital da empresa no âmbito da privatização.

De nada serviram os apelos do presidente da República, do líder da oposição e de vários membros do governo.

Na véspera o Governo português fez um derradeiro apelo aos pilotos da TAP para que dessem prioridade aos interesses da empresa e do país.

O vice-primeiro-ministro e líder do CDS-PP, Paulo Portas, apelou hoje aos pilotos da TAP para não fazerem a greve de 10 dias, porque é um “abuso” e vai dar cabo da tesouraria da empresa.

“O que eu faço é um apelo: pensem no país, pensem no turismo, pensem na economia, pensem na vossa empresa. A TAP é importante, não contribuam para a destruir. A TAP é importante hoje e amanhã. Não façam greves de 10 dias num mês, isso dá cabo da tesouraria de uma empresa”, disse Paulo Portas.

A comissão de trabalhadores da TAP voltou a exigir na quinta-feira que seja travada a privatização da empresa, acusando o Governo de exercer chantagem com a ameaça de reestruturação e corte de pessoal.

Os dez dias de greve podem afetar cerca de 3 mil voos e 300 mil passageiros.

De acordo com a TAP, a greve representa perdas diretas de cerca de 70 milhões de euros, sem contar os custos para a imagem. Para o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) estão em causa cerca de 30 milhões de euros, menos de metade do valor indicado pela companhia.