Última hora

Última hora

Turquia acolhe dois milhões de refugiados sírios

Sem fim à vista, o conflito sírio provocou a fuga, nos últimos três anos, de dois milhões de pessoas para a Turquia. Vivem em campos de acolhimento, onde adaptaram o quotidiano à nova realidade: merca

Em leitura:

Turquia acolhe dois milhões de refugiados sírios

Tamanho do texto Aa Aa

A guerra civil síria fez da Turquia o país que abriga o maior número de refugiados em todo o mundo. Ancara ofereceu hospitalidade a cerca de dois milhões de pessoas, a maioria da Síria.

A euronews visitou Öncüpınar, onde falou com o responsável do centro de refugiados na fronteira com a Síria, Kills, e onde vivem atualmente 13 mil sírios.

A maioria dos refugiados não vai regressar à Síria. O campo de acolhimento deu uma nova casa, a muitos, e nele surgiu um mercado, vários bares e uma barbearia.

Refugiado de Alepo:

- As pessoas mais vulneráveis ​​estão a viver aqui. Os refugiados vivem aqui. Não podemos trabalhar. Mas na Síria viveu e trabalhou como pessoas normais.

Bora Bayraktar, euronews- Pensa regressar ao seu país?

- Não, não quero voltar – responde o interlocutor.

Embora não haja nenhum futuro no campo, a maioria dos refugiados prefere ficar em vez de voltar para a Síria:
 
Uma viúva refugiada e mãe de sete filhos, assume:

- Enquanto a situação não se normalizar na Síria, não vamos regressar.

Não muito longe do acampamento fica Gaziantep, cidade de acolhimento de 400 mil refugiados sírios. A repentina explosão demográfica provocou a subida dos preços das casas e dos produtos alimentares e, consequentemente, tensões entre residentes e refugiados.

Para incentivar o diálogo entre as comunidades, e ajudar os sírios no caminho da integração, abriu um centro de informação, o Malumat, que oferece conselhos e lições em árabe, inglês e turco.

*Serhan Alemdar, Diretor de Projeto local, Malumat:

- Eles vivem na incerteza. A incerteza sobre o seu futuro. Estas pessoas já não têm qualquer perspetiva de vida. É por isso que damos especial atenção à juventude. O nosso principal objetivo é apoiar os jovens entre os 17 e 24 anos *.

Muitos sírios já vivem na Turquia há três anos, e o conflito no seu país eterniza-se. É improvável que os refugiados regressem a casa num futuro próximo.

Bora Bayraktar, no campo de refugiados Kilis, em Öncüpına:

- A maioria dos refugiados sírios perde a pátria, mas muitos não têm vontade de retornar a um país em guerra. Estão tão adaptados ao campo que reorganizaram a vida aqui. Tudo indica que os turcos e os sírios ainda tenham de viver juntos durante muito tempo.