Última hora

Última hora

Indonésia: Francês condenado à morte poupado durante o Ramadão

Serge Atlaoui foi detido em 2005, numa fábrica de produção de "ecstasy", e condenado à morte dois anos depois. Poupado às execuções de final de abril, o marido e pai de quatro filhos está de volta ao

Em leitura:

Indonésia: Francês condenado à morte poupado durante o Ramadão

Tamanho do texto Aa Aa

Serge Atlaoui, o francês de 51 anos condenado à morte na Indonésia, por alegado tráfico de droga, e que viu o derradeiro recurso rejeitado no domingo, não vai ser executado antes de 17 de julho, dia em que termina o Ramadão, o ritual de jejum que simboliza o quarto dos cinco pilares do islamismo, a religião dominante no país — estima-se que cerca de 90 por cento dos indonésios seja devota ao Islão.

A garantia de que a polémica execução do francês não aconteceria pelo menos até ao final do Ramadão foi anunciada por Tony Spontana, o porta-voz da Procuradoria-Geral indonésia. “É certo que Serge está de novo na lista de execuções depois de o recurso ter sido rejeitado, mas posso confirmar que a próxima execução não vai acontecer num futuro próximo. Não acontecerá certamente durante o mês do Ramadão”, afirmou Spontana.


Serge Atlaoui foi condenado à morte em 2007 por associação a uma fábrica de produção de “ecstasy”, nos arredores de Jacarta, onde foi detido em 2005. Casado e pai de quatro filhos, o francês sempre alegou inocência, garantindo trabalhar apenas numa fábrica de acrílicos. “Ele não sabia nada dos químicos. Ele é apenas um técnico de soldadura”, alega a advogada de defesa de Atlaoui, Nancy Yuliana Sunjoto, a qual garante que irá continuar a trabalhar para encontrar outros canais legais que permitam salvar o cliente.

O francês fazia parte de um grupo de 9 condenados à morte, por alegado tráfico de droga, a quase totalidade estrangeiros, incluindo um brasileiro. Oito foram fuzilados a 29 de abril, incluindo Rodrigo Gularte, mas Atlaoui viu o nome retirado da lista de execuções à última hora.

Apoiado por várias pressões diplomáticas oriundas de Paris, Serge conseguiu ainda ter direito a um derradeiro recurso, mas viu o Presidente indonésio rejeitar o apelo de clemência e está de novo no corredor da morte.

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus reafirmou já esta segunda-feira a determinação do Eliseu em lutar contra a sentença de morte. “A mobilização da diplomacia francesa é total para salvar Serge Atlaoui”, garantiu Harlem Désir, atravé da estação de televisão France 2.

Eleito em 2014, o presidente indonésio Joko Widodo, que acaba de lançar uma conta oficial na rede social Twitter, fez da luta contra o tráfico de drogas no país a principal meta de sua administração. Só este ano, a Indonésia já executou 14 sentenças de morte, a maioria de cidadãos estrangeiros.