Última hora

Última hora

Grécia: O começo de novas preocupações para Tsipras

Com a deserção de 1/4 dos deputados do próprio Syriza, uma remodelação governamental ou mesmo eleições antecipadas são cenários que o primeiro-ministro não pode afastar

Em leitura:

Grécia: O começo de novas preocupações para Tsipras

Tamanho do texto Aa Aa

A aprovação, pelo parlamento grego, do plano que Alexis Tsipras acordou com os credores, não é o fim dos problemas – é antes o começo de novas preocupações para o primeiro-ministro da Grécia.

Point of view

O primeiro-ministro [grego] tem um sério problema de coesão no seio do governo e uma profunda divisão no partido - Voula Kahagia, colunista no jornal "Ta Nea"

Uma remodelação governamental ou mesmo a convocação de eleições antecipadas são cenários possíveis.

Sobretudo, porque, dos 149 deputados do Syriza, 39 – incluindo alguns ministros – votaram contra o texto, que abre a porta a um terceiro resgate da Grécia.

O pacote de medidas acabou por ser aprovado, sim, mas com o apoio dos deputados da oposição.

“Não será necessário eleições se os partidos do arco da governação se mantiverem unidos e procurarem um terreno de entendimento para que este governo continue ou, em alternativa, formem um governo de coligação nacional”, defende a analista política Maria Karaklioumi.

Mesmo que o governo não caia, Tsipras não pode ignorar a contestação gerada no seio do partido, após uma viragem que muitos consideram neoliberal.

A colunista Voula Kahagia, do jornal “Ta Nea”, explica: “O primeiro-ministro tem um sério problema de coesão no seio do governo e uma profunda divisão no partido. Mas enquanto o acordo com os credores não estiver finalizado, Tsipras não vai preocupar-se com isso, já que a prioridade é a economia. No entanto, acredito que, depois, um confronto no seio do partido será inevitável.”

Para já, Tsipras ainda conta com o apoio da população, que considera que o chefe do governo fez tudo o que estava ao seu alcance.

Mas o primeiro-ministro tem mais uma batalha pela frente, como explica Stamatis Giannisis, correspondente da euronews, em Atenas:

“Apesar da deserção de cerca de um quarto dos deputados do próprio partido, e com muita ajuda da oposição, Alexis Tsipras ganhou a votação parlamentar mais crucial desde que se tornou primeiro-ministro. A questão é se conseguirá repetir a proeza dentro de algumas semanas, quando a assembleia nacional grega for chamada de novo a votar – na especialidade – as novas medidas de austeridade.”