Última hora

Última hora

The Corner: A "vingança" do Barcelona e a estreia a ganhar de Mourinho

A habitual viagem semana da euronews pelo futebol mundial conta esta semana com o regresso das Ligas espanhola e italiana. Em Inglaterra e em França jogou-se a terceira jornada. Na Alemanha e em Portu

Em leitura:

The Corner: A "vingança" do Barcelona e a estreia a ganhar de Mourinho

Tamanho do texto Aa Aa

Foi um fim de semana de surpresas em Portugal. Porto e Sporting empataram, o Benfica perdeu. Em Espanha, também houve surpresas, mas o destaque é a crise de golos no regresso do campeonato dos melhores do Mundo. Foi com ajuda espanhol, curiosamente, que o Chelsea, de José Mourinho, conseguiu finalmente entrar no trilho das vitórias esta época, em Inglaterra.

[[ Leia aqui tudo sobre a segunda jornada da Liga portuguesa ]]

Começamos o resumo do fim de semana por Espanha. Seis dias após perder a Supertaça de Espanha para o Atlético de Bilbau, em pleno Camp Nou, o Barcelona estreou-se na Liga espanhola, curiosamente, contra a equipa basca. Ao terceiro duelo em 10 dias, os catalães lá conseguiram ganhar. Um golo do uruguaio Luis Suaréz, a passe de Jordi Alba, já na segunda parte, decidiu o jogo.


Nas restantes partidas desta primeira jornada, registaram-se cinco empates, quatro deles a zero. O mais surpreendente dos “nulos”, o do Real Madrid na deslocação a Gijón. O recém-promovido Sporting local conseguiu suster a armada “blanca”, na qual Cristiano Ronaldo foi o único representante português no “11” (Pepe ficou no banco e Coentrão ficou de fora).

O melhor do Mundo foi assobiado no final do encontro e terá respondido aos críticos numa mensagem que publicou pelo Facebook: “O vosso amor faz-me forte, mas o vosso ódio torna-me imparável.”

Na receção do Rayo Vallecano ao Valência, de Nuno Espírito Santo, o português Bebé foi titular nos anfitriões, João Cancelo e Rúben Vezo nos visitantes. Na deslocação da Real Sociedade à Corunha, Bruma esteve no “11” dos bascos. No Málaga-Sevilha, Ricardo Horta foi titular nos anfitriões e Duda entrou; Beto foi titular na baliza dos andaluzes. Três jogos que acabaram a “zero”. Em Sevilha, Bétis e Villarreal empataram a 1 golo.

O Celta de vigo é o primeiro líder em Espanha após ganhar 2-1 na visita ao Levante (Granada e Eibar encerram a jornada esta segunda-feira à noite).

Mourinho estreia Pedro e é recompensado

Depois de um empate em casa a abrir e uma derrota na visita aos vice-campeões, Manchester City, o Chelsea encontrou finalmente, à terceira jornada da Liga inglesa, o caminho das vitórias. Na deslocação às “West Midlands”, no centro de Inglaterra, José Mourinho estreou o recém-contratado Pedro Rodríguez (transferido do Barcelona por 26,6 milhões de euros) e o espanhol retribuiu a aposta, aos 20 minutos, com o golo inaugural do jogo, pouco depois de Courtois já ter defendido um penálti de Morrison.

O internacional espanhol Diego Costa e o compatriota Azpilicueta adiantaram os “blues” ainda na primeira parte. Morrison redimiu-se do penálti, aos 35 minutos, reduzindo para os anfitriões e ainda bisou na segunda parte, depois de John Terry ter sido expulso no Chelsea. Os londrinos seguraram a vantagem e saltaram, à condição, para o nono lugar, a 5 pontos do líder, o City, que ganhou (2-0) no terreno do Everton.

A revelação do campeonato, o Leicester, de Claudio Ranieri, “tropeçou” em casa no Tottenham (1-1) e perdeu o poleiro da liderança. O Manchester United também empatou (0-0) em casa, diante do Newcastle, e ficou a dois pontos do rival de Manchester. Arsenal e Liverpool encerram a jornada esta segunda-feira. Em caso de vitória, os “gunners” podem ultrapassar o Chelsea ou os “reds” igualar o líder.

Dortmund, Arouca e Juventus nos destaques da semana

Entre os destaques do fim de semana, temos pela positiva o Borussia de Dortmund, na Alemanha, e o Arouca, em Portugal. Os alemães estão de volta ao caminho do sucesso e depois de uma época para esquecer, em que entraram na segunda volta no último lugar e acabaram em sétimo, agora são líderes à segunda jornada. O Borussia goleou (4-0) na visita ao estreante Ingolstadt e apresenta melhor média de golos que o Bayern Munique e o Bayer Leverkusen, com quem partilha a liderança.

O Arouca recebeu em casa emprestada, Aveiro, o Benfica e não se atemorizou perante o bicampeão português, reforçado com estrelas internacionais como o grego Mitroglou ou o mexicano Raúl Jimenez. Logo aos 2 minutos, Roberto marcou o golo que valeu três pontos e a liderança isolada da Liga portuguesa ao modesto clube orientado pelo angolano Lito Vidigal.

O feito do Arouca custa ao Benfica, para além da derrota, a presença entre as desilusões da semana. As “águias” não aproveitaram no domingo os empates de véspera dos rivais FC Porto e Sporting e, pior, foram mesmo ultrapassadas.

Em Itália, a tetracampeã Juventus teve também um domingo para esquecer. No arranque da Série A, os “bianconeri” recebiam a visita da Udinese. A equipa do jovem português Bruno Fernandes (titular) surpreendeu e deixou Turim com os três pontos, fruto de um único golo do francês Thereau a cerca de 10 minutos do final.

A caminho do Euro 2016… o boicote espanhol de 1960

A rubrica especial “A caminho do euro 2016…” leva-nos, uma vez mais, de volta até à primeira edição do torneio de seleções do futebol europeu. Depois de termos recordado na semana passada o primeiro golo na competição, desta feita recordamos o triste episódio em que a política se sobrepôs ao desporto e impediu a brilhante seleção de Di Stefano de disputar a histórica competição de 1960.

No final de maio, daquele ano, a Espanha deveria jogar em Moscovo a primeira mão dos quartos-de-final do primeiro Europeu de futebol da história. Mas o general Franco, o então ditador de Espanha, proibiu a equipa nacional de defrontar a União Soviética.

Pouco se escreveu na altura na imprensa espanhola, porque o regime o censurou, mas hoje em dia até um livro existe, escrito pelo jornalista Ramón Ramos e intitulado “Os russos vêm aí! Espanha renúncia ao Euro’1960 por decisão de Franco”, revelando os documentos da altura que foram ratificados para impor o boicote espanhol ao Europeu — (2013).

Na altura, a seleção espanhola, já com o argentino Di Stefano integrado, vivia um bom momento. Era uma das favoritas à vitória no Europeu. Mas a nível político, o executivo de Franco tinha um forte atrito com os regimes comunistas da altura, em especial, com a União Soviética, a que se somava uma aliança com os Estados Unidos. Diz-se que já havia um decreto a impedir as equipas nacionais de se inscreverem em provas onde pudessem enfrentar adversários oriundos desses regimes comunistas. Ainda assim, a Federação espanhola de futebol arriscou, na esperança de evitar esses rivais indesejados. Correu mal.

Nos quartos-de-final, com Portugal “emparelhado” à Jugoslávia, calhou em sorte à Espanha a União Soviética. A primeira mão estava marcada para 29 de maio em Moscovo. Na sexta-feira anterior, o Conselho de ministros espanhol reuniu-se em Barcelona e decidiu-se pelo boicote à eliminatória.

Há quem diga que a decisão de Franco se prendeu por não querer soviéticos autorizados a entrar em Espanha, por não querer uma bandeira comunista hasteada em Madrid e também quem diga que o ditador simplesmente não queria arriscar a sofrer uma derrota, mesmo que desportiva, diante de comunistas.

Seja como for, a Espanha renunciou ao Europeu e a União Soviética apurou-se diretamente para a final a quatro, que se jogou em França, com os anfitriões, a Checoslováquia e a Jugoslávia. A equipa do mítico guarda-redes Lev Yashin venceu (3-0) os checoslovacos nas “meias” e os jugoslavos (2-1) na final. Depois de ter ficado para história como a primeira seleção a marcar um golo na competição, a dissolvida União Soviética foi também a primeira campeã da Europa.

Bola de cristal dá derrota ao Mónaco diante do PSG

Há uma semana acertámos na previsão de metade dos resultados a que nos propusemos. Esta semana, voltamos a olhar à nossa bola de cristal e arriscamos a previsão em 3 jogos.

Na terceira jornada da “Bundesliga”, prevemos que o embate em Munique entre o Bayern e o Bayer Leverkusen, dois dos líderes, vai acabar favorável aos campeões: os anfitriões vão vencer 3-1. Na segunda ronda da Série A, a Juventus deverá voltar a ganhar. Os tetracampeões visitam a AS Roma, que arrancou com um empate em Verona, e deverão vencer 2-0. Em França, por fim, o AS Monaco, de Leonardo Jardim e da armada portuguesa (Bernardo Silva, Ivan Cavaleiro, João Moutinho e Ricardo Carvalho), não terá andamento para os campeões. No duelo marcado para o principado, o PSG vai ganhar, por 2-1.