Última hora

Última hora

Uma paródia de "Uptown Funk" de Bruno Mars para falar do desemprego na Jordânia

Em leitura:

Uma paródia de "Uptown Funk" de Bruno Mars para falar do desemprego na Jordânia

Tamanho do texto Aa Aa

Um grupo de artistas da Jordânia criou uma paródia da canção “Uptown Funk” de Bruno Mars para falar do problema do desemprego. O grupo chama-se Fooq

Um grupo de artistas da Jordânia criou uma paródia da canção “Uptown Funk” de Bruno Mars para falar do problema do desemprego.

Point of view

Tendo em conta a nossa experiência, estamos convencidos de que a comédia consegue transmitir mensagens importantes em relação a realidades duras ou a histórias tristes. Quando o tema é tratado de forma cómica, as pesoas aceitam as críticas mais facilmente.

O grupo chama-se Fooq al-Sada e publica, desde 2001, uma série de vídeos na Internet para debater problemas sociais e políticos.

“Somos um grupo de humoristas e temos uma mensagem. Ou seja, há o lado da comédia mas também queremos fazer passar mensagens. Tendo em conta a nossa experiência, estamos convencidos de que a comédia consegue transmitir mensagens importantes em relação a realidades duras ou a histórias tristes. Quando o tema é tratado de forma cómica, as pessoas aceitam as críticas mais facilmente”, explicou Muath al Bzoor, um dos elementos do grupo.

Na Jordânia, 40 por cento da população tem menos de 15 anos. Apesar dos níveis de educação relativamente elevados, os jovens não conseguem encontrar emprego. O problema agravou-se com a chegada de dezenas de milhares de refugiados sírios.

Apesar dos problemas económicos, os jovens admitem que hoje têm mais liberdade de expressão.

“Depois da primavera árabe, senti que há espaço para falar e para exprimir o que pensamos, sobretudo os jovens. Antes não tínhamos as ferramentas para fazê-lo mas graças aos media sociais, como o Facebook, o Youtube e o Twitter, podemos dar a nossa opinião”, considerou Nasser Jarun, fundador do grupo.

O problema do desemprego afeta principalmente as jovens mulheres. 76% das mulheres com o décimo segundo ano estão desempregadas. A percentagem desce para 26% no caso dos homens.