Última hora

Em leitura:

Mais dois palestinianos mortos em Jerusalém, civis israelitas recorrem à autodefesa


Israel

Mais dois palestinianos mortos em Jerusalém, civis israelitas recorrem à autodefesa

Dois palestinianos foram mortos esta segunda-feira por soldados israelitas, em Jerusalém. Os dois palestinianos terão sido “neutralizados” quando atacaram israelitas à faca.

O primeiro ataque aconteceu pela manhã, junto à Porta dos Leões, na Cidade velha. O alegado agressor, um palestiniano, acabou morto a tiro e o corpo ficou algum tempo numa calçada, sem ser sequer coberto.

O segundo ataque deu-se horas depois. Uma mulher terá tentado atacar um transeunte diante de uma esquadra da polícia israelita. A palestiniana também acabou atingida a tiro e “neutralizada”. As autoridades israelitas não revelaram o estado de saúda da mulher, mas há relatos de que não tenha sobrevivido aos disparos.

A violência entre israelitas e palestinianos tem vindo a agravar-se desde meados de setembro, quando foram restrições na Esplanada das Mesquitas, no Monte do Templo, impedindo o acesso a palestinianos menores de 50 anos e mulheres islâmicas. Os confrontos começaram nos arredores desta zona, mas rapidamente alastraram para os territórios palestinianos, em particular naqueles onde se situam colonatos judeus.

Na última semana, entretanto, sucederam-se os ataques isolados a judeus em território israelita. Mas é nos territórios palestinianos que os confrontos têm sido mais intensos.

As últimas notícias referem a morte a tiro de um adolescente palestiniano e a de uma mulher grávida e da filha vítimas de um alegado ataque aéreo israelita. O Ministério da Saúde Palestiniano estima que desde o início de outubro já morreram 25 palestinianos, incluindo 6 crianças e também já o homem morto esta segunda-feira de manhã junto à Porta dos Leões, em Jerusalém.

O balanço especifica que 14 palestinianos morreram na Cisjordânia e 11 em Gaza. O número total de feridos ascende a mais de 1300 — alguns atingidos por disparos de balas de borracha ou munições reais, outros sufocados pelo gás antimotim utilizado pelas forças israelitas.

As autoridades israelitas terão detido mais de 30 palestinianos, na Cisjordânia, após os confrontos de domingo para segunda-feira. O vídeo do ataque à faca de um alegado palestiniano contra elementos da polícia israelita junto ao Portão de Damasco, na Cidade Velha, no passado sábado, surgiu na internet. O agressor terá reagido mal a um controlo de identificação efetuado pelas autoridades.

No colonato judeu de Givat Ze’ev, próximo de Ramallah, na Cisjordânia, a requisição de licenças de porte arma por civis israelitas tem vindo a aumentar. O dono de uma loja de armamento justifica a “dramática” procura com o “medo” das pessoas face ao agravar de ataques contra judeus naquela região. O recurso a escolas de tiro também tem vindo a crescer, com os israelitas a apostarem na autodefesa face a eventuais ataques.

(“Para milhares de israelitas, a ameaça do terror palestiniano tornou-se uma rotina como os semáforos e os sinais de ‘stop’”)

A loja de retalho “Rikushet” revela que a venda de produtos de autodefesa, como latas de “spray” pimenta, aumentou cerca de 400 por cento. O diretor-geral da “Rikushet”, Dudi Mantin, de acordo com o jornal “Israel Hayom”, estima que os israelitas terão investido cerca de 78.000 dólares só na semana passada em produtos de autodefesa.

“Vendemos o abastecimento de três semanas num dia apenas. Um total de cerca de 100 artigos”, afirmou ao jornal “Times of Israel” Eyal Daniel, coproprietário da “Haboleshet Spy Shop”, em Telavive.

Na quarta-feira, um alegado antigo elemento das IDF, identificado como Josh Carr pelo “Times of Israel”, publicou, na página de Facebook do grupo privado “Secret Tel Aviv”, o convite para um curso gratuito de autodefesa, justificando-o com “a atual situação”. “O curso vai focar-se na defesa contra facas mas também vai incluir técnicas básicas de defesa corpo-a-corpo e como reagir numa situação de emergência. Este curso não vai torna-lo num super-herói, mas pode salvar-lhe a vida ou a vida de outra pessoa”, lê-se no convite.

To all the people who have messaged me and have not yet received a reply.

Posted by Lev Halochem Krav Maga and Fighting Fitness on�Quinta-feira, 8 de Outubro de 2015

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte

mundo

Angus Deaton vence Nobel da Economia 2015