Última hora

Última hora

Da natureza luxuriante de Wadi Carbat até ao vasto deserto de Sharqiya

Em leitura:

Da natureza luxuriante de Wadi Carbat até ao vasto deserto de Sharqiya

Tamanho do texto Aa Aa

Do sul tropical às escarpas montanhosas até ao imenso deserto: são diversas as paisagens que tornam Omã uma mistura única de tesouros naturais.

Praias paradisíacas, escarpas montanhosas e um deserto saído dos contos das mil e uma noites – Omã surpreende na sua diversidade. Nesta primeira edição de Oman Life fomos conhecer alguns dos cenários mais impressionantes deste país.

Point of view

Quem chega do deserto, nem acredita que há toda esta água aqui, que há verde por todo o lado.

O sudeste da Península Arábica é conhecido como as “Caraíbas do Oriente”. Todos os verões, a região de Dhofar, onde se situa a cidade de Salalah, transforma-se numa opulenta paisagem verdejante, que fornece uma vasta variedade de produtos da terra. Fomos visitar o vale onde repousa o parque natural Wadi Carbat, que as monções ajudam a tornar num refúgio privilegiado de lazer.
Segundo o guia Musallam Hassan Masoud, “quem chega do deserto, nem acredita. Nem acredita que há toda esta água aqui, que há este lago, que há verde por todo o lado. As pessoas não imaginam que há um desfiladeiro tão bonito na Península Arábica.”

Mas há outro tesouro muito procurado nesta região: a árvore do olíbano. Há trinta anos que Ahmed, beduíno, tenta localizar cada uma destas árvores, para lhes fazer um corte na casca de forma a extrair a preciosa resina aromática. “Parte do olíbano é usada para fazer perfume, mas há quem o utilize para fins medicinais ou mesmo para afastar os maus espíritos”, explica.

Continuamos a viagem para norte, rumo a Jabel Akhdar, a “Montanha Verde”. Ao longo dos socalcos rochosos encontram-se culturas de figos, pêssegos, maçãs e das célebres romãs locais, frutos de um sistema de irrigação milenar chamado Aflaj, que a UNESCO classificou como Património Mundial. A água é conduzida através de canais que aproveitam o declive acentuado para chegar ao objetivo. No sopé da montanha, Said al-Sureiky controla o fluxo. Cabe-lhe a responsabilidade de garantir a distribuição de água a mais de dez mil pessoas: “A água é repartida tal como faziam os nossos antepassados. Foi com eles que aprendi este ofício.”

Dos chamados “Alpes de Omã” passamos às areias do deserto. Chegou a altura de fazer um dos programas favoritos dos turistas: um passeio de 4×4 pelas dunas do deserto Sharqiya, algumas com 200 metros de altura. Outro guia, Musallam al-Habsi, afirma que “é como se fosse um oceano, sem nada à volta.”

Nada a não ser as dunas que se estendem até ao Oceano Índico, num deserto que há muito acolhe o povo beduíno. A família de Salma al-Wahaibi sempre viveu aqui. Para ela é essencial manter as tradições bem vivas e garantir que as gerações mais novas as apreendem: “Respeitamos as tradições. Os camelos, as ovelhas… É assim desde tempos longínquos.”

Vamos deixar este impressionante deserto para ir rumo à costa. Na próxima edição de Oman Life partimos à descoberta da vida marinha e vamos assistir a um momento único: a desova das tartarugas verdes, uma espécie em vias de extinção.