Última hora

Última hora

Cancro: Carne vermelha provoca alerta vermelho

O lançamento de um relatório da Agência Internacional de Investigação do Cancro (IARC), um dos organismos da Organização Mundial de Saúde, criou uma

Em leitura:

Cancro: Carne vermelha provoca alerta vermelho

Tamanho do texto Aa Aa

O lançamento de um relatório da Agência Internacional de Investigação do Cancro (IARC), um dos organismos da Organização Mundial de Saúde, criou uma onda de pânico em toda a Europa. A carne vermelha foi classificada como, provavelmente, cancerígena e a charcutaria e a carne processada foram classificadas como cancerígenas para os ser humano. Conversámos com especialista da IARC, Kurt Straif, para descobrir o significado desta classificação. Em Lyon, França, concentra-se na investigação dos fatores de risco relativos ao cancro.

Sandrine Delorme, euronews: De que forma é que a carne vermelha e as carnes processadas aumentam o risco de cancro? E de que tipos de cancro?

Kurt Straif, IARC: “As carnes processadas foram avaliadas como pertencendo ao Grupo 1, onde existe uma ligação com o cancro em humanos, principalmente o cancro do cólon. A avaliação da carne vermelha coloca-a no Grupo 2A, o que significa que existe a probabilidade de provocar o cancro, mas os indicadores não eram tão fortes, embora existam indícios de uma ligação ao cancro do cólon.

Existem 5 níveis de risco na classificação da Agência Internacional de Investigação do Cancro: desde o nível carcinogénico para humanos, até ao provavelmente não carcinogénico.

euronews: “A partir de que quantidade de carne aumenta o risco de contrair cancro?

Kurt Straif: “Existe um risco de cerca de 18%, por cada 50g de carne processada consumida, por dia. O risco não é tão grande como em relação ao tabagismo. O tabagismo está claramente relacionado com vinte tipos de cancro. Ou em relação a outras exposições como o amianto ou a poluição atmosférica.”

euronews: Ontem, o ministro francês da agricultura, Stephane Le Fol, disse não querer que um relatório como este coloque as pessoas em pânico. A IARC foi alarmista nesta publicação?

Kurt Straif: “Não, de todo, não estamos a ser alarmistas. Especificámos claramente as nossas avaliações e quantificámos os riscos. Depois, a interpretação desta informação fica ao critério do governo ou dos indivíduos. Os alarmistas são os outros… e não nós”.

O primeiro grupo de risco inclui o tabaco, amianto, álcool e a exposição solar. Perguntámos a alguns cidadãos, de Lyon, se consideram o consumo de carne perigoso: “Não… E a prova é que eu ainda estou aqui … E tenho 88 anos!”

euronews: Enquanto especialista, o que aconselha para evitar o cancro?

Kurt Straif: “Depende do contexto, se existem exposições ambientais, como a poluição atmosférica, cabe ao governo fazer algo. Mas falando das exposições da vida quotidiana creio que o mais importante é parar de fumar, beber menos álcool, ser mais ativo, fazer exercício, evitar o excesso de peso e talvez consumir menos carne processada”.

Este estudo foi certificado por 22 especialistas internacionais, da Organização Mundial de Saúde.