Última hora

Última hora

Mali: Testemunhas relatam horas de terror durante o sequestro num hotel de Bamaco

Alguns dos clientes do hotel de luxo, em Bamaco, palco de um sequestro que durou cerca de nove horas, afirmam que os terroristas "falavam inglês entre eles".

Em leitura:

Mali: Testemunhas relatam horas de terror durante o sequestro num hotel de Bamaco

Tamanho do texto Aa Aa

Alguns dos clientes do hotel de luxo, em Bamaco, palco de um sequestro que durou cerca de nove horas, afirmam que os terroristas “falavam inglês entre eles”. Foi o que disse à agência France Press o conhecido cantor da Guiné Conacri, Sékouba Bambino Diabaté, um dos primeiros a conseguir sair ileso do hotel.

Uma testemunha, que estava à porta do hotel, conta o que viu:

“Foi por volta das 6h50 (a mesma hora em Lisboa) que eles chegaram. Vieram da rua onde está o colégio Horizon. Chegaram às barreiras de controlo e começaram a disparar contra os seguranças. A seguir, entraram na receção (do hotel) e começaram a disparar em todas as direções. Depois, degolaram uma pessoa e estavam sempre a gritar ‘Allahu Akbar’”.

Outro dos reféns libertados relata os acontecimentos dentro do hotel:

“Ouvi tiros logo de manhã, bem cedo. Pensei que fosse fogo-de-artifício e não me apercebi que era uma situação de sequestro. Mas, depois continuou e começamos a ouvir o alarme do hotel. Saí do quarto imediatamente porque não sabia que era uma tomada de reféns. Saí para ir ao restaurante (do hotel) e foi aí que vi muito fumo. Regressei ao meu quarto e aí fiquei até que, a certo ponto, as forças do Mali nos vieram buscar”.

Na sequência de sequestro, o Mali decretou 3 dias de luto nacional e o estado de emergência durante 10 dias.

De Washington a Paris, passando pelas Nações Unidas e por Bruxelas, a comunidade internacional condenou veementemente o ataque desta sexta-feira, no Mali.