Última hora

Última hora

Turquia abate caça bombardeiro russo

Um caça bombardeiro russo foi abatido por caças turcos esta terça-feira. Fontes militares turcas dizem que o avião, um Sukhoï Su-24, foi abatido

Em leitura:

Turquia abate caça bombardeiro russo

Tamanho do texto Aa Aa

Um caça bombardeiro russo foi abatido por caças turcos esta terça-feira.

Fontes militares turcas dizem que o avião, um Sukhoï Su-24, foi abatido junto à fonteira com a Síria, depois de violar espaço aéreo turco.

De acordo com os responsáveis militares turcos, o avião foi avisado dez vezes, no espaço de cinco minutos, que estava em violação do espaço aéreo da Turquia, antes de ser abatido por caças F-16.

Na sequência do incidente, a NATO convocou uma reunião de emergência para esta tarde e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergueï Lavrov, cancelou a visita a Ancara, que estava prevista para amanhã.

O exército turco divulgou o registo do trajeto do caça russo, indicando que os aviões russos sobrevoam território turco quando dão a volta para repetir bombardeamentos em território sírio. Segundo este registo dos voos, os caças russos bombardeiam território onde não existem forças do autoproclamado “Estado Islâmico”, mas sim milícias turcomanas que combatem o regime de Damasco.

“Facada nas costas”

Durante uma conferência de imprensa em Moscovo, após o encontro com o rei Abdullah II da Jordânia, o presidente Vladimir Putin acusou a Turquia de “uma facada nas costas cúmplice dos terroristas”. Em Ankara, o chefe do governo turco, Ahmet Davutoglu, lembrou que a Turquia tem o direito de defender o seu espaço aéreo.

O ministério da Defesa russo confirmou que se trata de um SU-24 russo, ressalvando porém que sobrevoava território sírio. “O avião sobrevoou sempre exclusivamente o território da Síria. Estava a seis mil metros de altitude e informações preliminares sugerem que foi abatido a partir do solo. As circunstâncias estão a ser investigadas”, informou Moscovo.

Imagens divulgadas pela emissora de televisão turca Habertürk TV mostram a queda de um avião em chamas numa zona de floresta.

Ainda de acordo com fontes militares russas, os dois pilotos terão conseguido saltar com páraquedas e estão a ser procurados por helicópteros russos.

A agência turca Anadolu divulgou imagens que afirma mostrarem os dois pilotos depois de se terem ejetado do aparelho, enquanto fontes do governo turco citadas pela agência Reuters dizem acreditar que os dois pilotos estão provavelmente vivos, nas mãos dos rebeldes sírios e informam que Ankara está a tentar resgatá-los.

Num vídeo entretanto divulgado, um comandante das forças turcomanas diz que os pilotos foram mortos quando desciam de páraquedas, depois de se terem ejetado.

Um site de informações ligado ao Exército Livre da Síria publicou um vídeo amador que afirma mostrar o piloto russo morto pelas milícias rebeldes sírias.

A mesma fonte publicou no Twitter uma foto que identifica como sendo a do piloto alegadamente falecido.

Rebeldes turcomanos disseram à agência turca Dohan que mataram os dois pilotos russos depois de se terem ejetado do aparelho.

A Rússia confirmou a morte de um dos pilotos do SU-24 abatido pela Turquia e de um segundo soldado russo quando os rebeldes sírios abateram um helicóptero de resgate Mi-8.

Espaço aéreo da NATO

Fontes presidenciais turcas garantem que cumpriram as regras relativas à violação do espaço aéreo. O ministério dos Negócios Estrangeiros turco anunciou de imediato consultações com a NATO, as Nações Unidas e os países aliados.

“A NATO segue de perto a situação. Estamos em contacto com as autoridades turcas”, disse um responsável da Aliança. Esta é a primeira vez que as forças armadas de um país da NATO abatem um avião russo ou soviético desde os anos ’50.

No dia 5 de outubro, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, apelara a que “a Rússia respeite plenamente o espaço aéreo da NATO e evite uma escalada de tensões com a Aliança”.

Na sequência do incidente, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergueï Lavrov, cancelou a visita a Ancara, que estava prevista para amanhã.

Ankara defende a minoria turcomana na Síria

A Turquia pediu esta semana uma reunião do conselho de segurança da ONU para discutir ataques contra a minoria turcomana na Síria e recentemente Ancara transmitiu ao embaixador russo um protesto contra o bombardeamento de localidades habitadas por turcomanos.

Ankara mantém tradicionalmente uma posição de solidariedade para com a minoria turcomana na Síria.