Última hora

Última hora

Refugiados: Um reencontro na ilha de Lesbos

O número de refugiados que chega à ilha grega de Lesbos, voltou a aumentar, com a melhoria do tempo na região. Desde sexta-feira que várias

Em leitura:

Refugiados: Um reencontro na ilha de Lesbos

Tamanho do texto Aa Aa

O número de refugiados que chega à ilha grega de Lesbos, voltou a aumentar, com a melhoria do tempo na região.

Desde sexta-feira que várias embarcações tiveram que ser socorridas, quando há notícia de pelo menos 40 pessoas desaparecidas em naufrágios.

Uma angústia para Zsuzsa, uma voluntária húngara que aguardava há dias pela chegada do namorado sírio.

“Ele já tinha tentado fazer a travessia, mas o barco naufragou e era impossível passar com os controlos da polícia que lhes tiraram os coletes salva-vidas e os barcos e eu passei a noite inteira e o dia inteiro a tentar ligar-lhe”.

Samer Alkaled, o namorado da voluntária húngara acabou por chegar à ilha esta segunda-feira.

O fim de uma viagem iniciada há mais de três anos, para o farmacêutico de Aleppo, que se encontrava há mais de um ano a viver na Turquia.

“Agora mesmo não tenho qualquer plano. Estou aqui e antes estava do outro lado com ela à minha espera. E prometi-lhe que ia atravessar o mar para vê-la, e foi o que aconteceu”.

Cerca de 1.206 refugiados esperavam abandonar a ilha de Lesbos esta segunda-feira, quando mais de três mil chegaram hoje ao porto do Piréu.

Do outro lado da fronteira da UE, a Turquia afirma ter iniciado operações para travar o fluxo de refugiados que atravessa o mar Egeu.

Ancara afirma ter impedido 1300 pessoas de realizar a travessia, um dia após a assinatura de um acordo em Bruxelas para controlar o fluxo fronteiriço.